Diretor da Fetranspor é preso ao tentar esconder computador da Lava Jato

Diretor da Fetranspor é preso ao tentar esconder computador da Lava Jato

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), o diretor administrativo e financeiro, Paulo Marcelo Ferreira, foi detido depois de pedir a um funcionário de informática para retirar o computador de sua sala

Constança Rezende, do Rio

25 Agosto 2017 | 16h37

Foto: Fábio Motta/Estadão

Um diretor da Fetranspor e um funcionário do setor de informática da entidade foram presos nesta sexta-feira, 25, sob suspeita de tentar esconder da Força-Tarefa da Lava Jato do Rio um computador com supostas provas de irregularidades. A prisão em flagrante aconteceu quando os procuradores e policiais federais cumpriam um mandado de busca e apreensão da federação.

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), o diretor administrativo e financeiro, Paulo Marcelo Ferreira, foi preso depois de pedir a um funcionário de informática para retirar o computador de sua sala. Àquela altura, procuradores da República chegavam ao prédio, com mandado de busca e apreensão.

OUÇA: Por ‘ameaça de morte’, Procuradoria pede outra vez prisão de libertado por Gilmar


Moro manda prender dois condenados em 2ª instância

Prisão após 2ª instância opõe Moro e Gilmar

Gilmar manda soltar condenado em 2ª instância e reforça ‘tendência’ em mudar entendimento

Ferreira teria tentado enganar os representantes do MPF. Segundo procuradores, levou a equipe da Lava Jato para outro andar do prédio, enquanto o técnico, que não teve o nome divulgado, retirava o computador da sala. Os procuradores foram alertados da ação e conseguiram recuperar o equipamento.  Os dois foram presos acusados de obstrução de Justiça.

A entidade divulgou nota sobre o episódio. “A Fetranspor reitera que continua à disposição das autoridades para prestar os esclarecimentos necessários à investigação”, afirmou no texto. “Essa é a orientação para todos os funcionários da federação. Qualquer conduta fora desse padrão será investigada internamente, para que as devidas providências sejam tomadas.”

O Estado ainda não conseguiu entrevistar a defesa de Ferreira.

Investigações. A busca foi determinada pela 7ª Vara Federal Criminal do Rio para aprofundar as investigações sobre o esquema de corrupção no setor de transportes do Rio de Janeiro. A partir de informações obtidas nas investigações da Operação Ponto Final, a força-tarefa resolveu analisar os dados sobre repasses da Fetranspor às empresas de ônibus para ressarci-las por despesas com vale-transporte e com o bilhete eletrônico Riocard, de integração de transportes.

‘Se isso prevalecer, o rabo abana o cachorro’, diz Gilmar

Em carta aberta ao Supremo, procuradores atacam Gilmar

Lava Jato acha telefone da mulher de Gilmar no celular do Rei do Ônibus

Lava Jato vê ‘intrincadas relações’ entre Gilmar e Rei do Ônibus

Os procuradores consideram que há indícios de que o sistema de bilhetagem eletrônica e as ordens de ressarcimento de valores às empresas podem ter sido manipulados por denunciados para pagamento de propina.

O MPF afirma que, na Operação Ponto Final, apurou que o ex-governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) recebeu do setor de transportes R$ 144,7 milhões entre os anos de 2010 e 2016. No mesmo período, o então presidente do Departamento de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (Detro) Rogério Onofre recebeu R$ 43,4 milhões.

A propina teria sido paga com recursos de um caixa dois formado pela Fetranspor a partir da arrecadação junto a 26 empresas de ônibus, que somou R$ 250 milhões entre 2013 e 2016.

Os acusados têm negado irregularidades.

Mais conteúdo sobre:

Fetransporoperação Lava Jato