Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » Delator que acusou Cunha também fez repasse à Assembleia de Deus

Política

Delator que acusou Cunha também fez repasse à Assembleia de Deus

Delator que acusou Cunha também fez repasse à Assembleia de Deus

Quebra de sigilo das empresas de Júlio Camargo revela que ele aportou R$ 125 mil em uma filial da Assembleia de Deus Madureira, simpática ao presidente da Câmara dos Deputados

0

Redação

31 Julho 2015 | 05h10

Por Mateus Coutinho, Julia Affonso e Valmar Hupsel Filho

Julio Camargo. Foto: Reprodução

Julio Camargo. Foto: Reprodução

O lobista e delator da Lava Jato Júlio Camargo repassou R$ 125 mil para a igreja evangélica Assembleia de Deus Ministério Madureira, em Campinas (SP). A informação consta da quebra de sigilo bancário da empresa Treviso, utilizada por Camargo para repassar propinas no esquema de corrupção na Petrobrás revelado pela Lava Jato. Nem o pastor da igreja nem a defesa de Júlio Camargo, que negou que ele seja evangélico, quiseram dar explicações sobre o repasse.

Laudo da Polícia Federal aponta que a quantia foi repassada entre 2008 e 2014, sem detalhar se o valor foi pago de uma só vez ou em parcelas.

O repasse mostra que o delator que disse à Justiça ter sido pressionado pelo presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) a pagar propina de US$ 5 milhões, também repassou dinheiro para uma igreja simpática ao deputado expoente da bancada evangélica. O parlamentar é um dos políticos alvo de inquérito no Supremo Tribunal Federal por suspeita de envolvimento no esquema de propinas na Petrobrás revelado pela Lava Jato.

Documento

  • imagemdestinatáriotreviso   PDF

‘Igreja Evangélica Assembleia de Deus’, nome registrado da Assembleia de Deus Madureira em Campinas (SP)

Culto. Em fevereiro deste ano, Cunha chegou a participar de um culto de mais de duas horas em comemoração a sua eleição para a Presidência da Câmara junto com outros políticos na Assembleia de Deus Madureira, no Rio de Janeiro. Na ocasião ele declarou ter trocado a Igreja Sara Nossa Terra pela Assembleia de Deus Madureira. A bancada evangélica foi uma das que mais apoiou Cunha na eleição para a Presidência da Câmara.

cunhaassembleia

Eduardo Cunha durante culto na Assembleia de Deus Madureira no Rio em comemoração a sua vitória na disputa para a Presidência da Câmara. Foto: Marcos Arcoverde/Estadão

+ ‘Sou ameaçada insistentemente’, diz Beatriz Catta Preta

Cunha silencia sobre Catta Preta

O presidente da Assembleia de Deus Madureira no Rio, pastor Abner Ferreira, contemplou o presidente da Câmara no culto. “O Satanás teve que recolher cada uma das ferramentas preparadas contra nós. Nosso irmão em Cristo é o terceiro homem mais importante da República”, disse o religioso na época. Abner Ferreira é irmão do pastor Samuel Ferreira, que preside a Assembleia de Deus no Brás, em São Paulo, e aparece no registro da Receita Federal como presidente da Assembleia de Deus Madureira em Campinas, que recebeu os R$ 125 mil da empresa de Júlio Camargo.

Advogados tentam anular delação de Júlio Camargo

Réu na Lava Jato, Júlio Camargo fez acordo de delação e admitiu a existência do cartel de empreiteiras que atuava na Petrobrás e também ter utilizado suas empresas para operar propinas aos executivos da estatal indicados por partidos políticos.  Após dizer à Justiça que Cunha era destinatário da propina de US$ 5 milhões, a advogada de Júlio Camargo Beatriz Catta Preta deixou todos os seus clientes da Lava Jato, um total de nove delatores, e disse nesta quinta ao Estado que decidiu abandonar a advocacia, pois vinha sendo ameaçada “insistentemente”.

As empresas de Júlio também fizeram doações oficiais para campanhas de políticos em 2010 e 2012 que totalizaram R$ 1 milhão. Dentre os que receberam recursos estão o líder do governo no Senado Delcídio Amaral, que recebeu R$ 200 mil em 2010, e a senadora Marta Suplicy (sem partido) que recebeu R$ 100 mil também em 2010. Também foram feitas doações de R$ 150 mil ao diretório nacional do PMDB.

COM A PALAVRA, A DEFESA

A reportagem entrou em contato com a assessoria do pastor Samuel Ferreira, que informou que ele não iria se manifestar sobre o caso. A defesa de Júlio Camargo afirmou que ele não é evangélico, mas também não quis comentar a transação.

A reportagem também telefonou para o celular de Eduardo Cunha, que não atendeu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários