Dayse, alvo da Lava Jato, se referia ao marido por ‘moça’, ‘menina’ e ‘nossa amiga’

Dayse, alvo da Lava Jato, se referia ao marido por ‘moça’, ‘menina’ e ‘nossa amiga’

Ministério Público Federal, no Rio, analisou mais de duzentas mensagens trocadas por mulher do ex-presidente do Detro-RJ e suposto operador de propinas do casal

Julia Affonso

07 Novembro 2017 | 05h25

Foto: Reprodução/MPF

A força-tarefa da Operação Lava Jato, no Rio, apreendeu 255 mensagens trocadas por Dayse Deborah Neves, mulher do ex-presidente do Departamento de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (Detro-RJ) Rogério Onofre de Oliveira, e o suposto operador de propinas do casal Claudio Sá Garcia Freitas. O Ministério Público Federal afirma que ela usava os apelidos ‘moça’, ‘menina’ e ‘nossa amiga’ para se referir ao marido.

“Em diversas mensagens, Dayse Deborah e Cláudio Freitas fazem menção a uma pessoa identificada apenas como ‘moça’, ‘menina’, ‘nossa amiga’ ou outros apelidos correlatos. Da análise das mensagens foi possível identificar que moça ou nossa amiga são codinomes usados para fazer menção a Rogério Onofre”, afirma a força-tarefa da Lava Jato.

Bombeiros farão festa pelo primeiro ano de Cabral na prisão

Dayse, Rogério e Claudio foram presos na Operação Ponto Final, que cercou a cúpula do Transporte do Rio. Em agosto, por meio de um habeas corpus concedido pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), os três foram colocados em liberdade. Dias depois, Rogério foi preso novamente, por suposta ‘ameaça de morte’.

OUTRAS DO BLOG: + ‘É Lei Rouanet, mas não é 100 por cento correto, todo mundo faz’

Desembargador da venda de sentença quer levar processo para seu Tribunal

‘Incontroverso coisíssima nenhuma!’, diz Aloysio sobre suposto repasse da Odebrecht

Henrique Alves recebeu mais de 400 visitas em dois meses, afirma procurador

Procuradoria acusa 32 por fraudes na Lei Rouanet, na Operação Boca Livre

Segundo a força-tarefa, um e-mail trocado Dayse e Claudio, em 1.º de maio de 2017, deixa ‘mais claro’ os apelidos usados pela mulher de Rogério Onofre e o operador financeiro. Na mensagem, Claudio pede a Dayse que repasse as felicitações à ‘moça’, em razão do aniversário.

“A mensagem foi enviada no dia 1 de maio de 2014, data em que Rogério Onofre faz aniversário”, diz o relatório do Ministério Público Federal.

Claudio mandou o e-mail a Dayse às 9h47 daquele dia. “Oi, hoje é dia de alegria… parabéns para a moça, gostaria de falar com ela mas em função do momento mando por vc um abraço para ela. Muitas felicidades, abs.”

Dayse respondeu às 13h09. “Obrigada pela lembrança e carinho. Vou falar com ela. Abs”

O Ministério Público Federal identificou ainda a referência a ‘moça’ ou ‘nossa amiga’ em outras mensagens.

A força-tarefa afirma que em alguns e-mails Dayse e Claudio ‘cometem atos falhos e utilizam o pronome pessoal ‘Ele’, usado para o gênero masculino, ao se referirem à ‘moça ou ‘nossa amiga’’.

Às 11h53, de 27 de setembro de 2013, Dayse respondeu a um e-mail de Claudio. “Que nada, é sempre um prazer e muito bom recebê-lo… A nossa amiga quer falar com a Ana kkkkkkkk.”

Em seguida, às 11h57, Claudio retorna a mensagem. “Diga a ele que está PROIBIDO de falar com ela e que eu tenho um dossiê contra ele que usarei na hora certa caso caso as infâmias sejam faladas…. tenho gravações e filmagens da conduta dele na noite carioca altamente comprometedoras…. kkkkkk Abçs.”

Quatro minutos depois, Dayse retruca. “Precisamos conversar… eu conheço muito bem a peça que eu tenho em casa… kkkk.”

COM A PALAVRA, O ADVOGADO YURI SAHIONE, QUE DEFENDE DAYSE DEBORAH E ROGÉRIO ONOFRE

A defesa informou que está analisando os documentos, mas adianta ‘que Dayse não praticou qualquer ilícito criminal’.


COM A PALAVRA O ADVOGADO MURILO COBUCCI SILVA ALMEIDA, QUE DEFENDE CLAUDIO SÁ GARCIA DE FREITAS

O advogado informou que foi aberto prazo, nos autos, para que a defesa fale sobre o documento. “Enquanto não falarmos, existem parte desses anexos que são sigilosos.”