Ex-assessor de Lula não pediu ‘desconto’ em obra de Atibaia, diz testemunha

Ex-assessor de Lula não pediu ‘desconto’ em obra de Atibaia, diz testemunha

Empreiteiro Carlos Rodrigues do Prado prestou depoimento ao juiz federal Sérgio Moro nesta segunda-feira, 19, e disse que entregou orçamento de reforma na propriedade rural a Rogério Aurélio Pimentel

Julia Affonso, Luiz Vassallo e Ricardo Brandt

19 Fevereiro 2018 | 18h05

Sítio Santa Bárbara. Foto: Márcio Fernandes/Estadão

O empreiteiro Carlos Rodrigues do Prado afirmou nesta segunda-feira, 19, em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro, que entregou o orçamento de uma obra do sítio de Atibaia (SP) a um ex-assessor do ex-presidente Lula. Segundo ele, Rogério Aurélio Pimentel aprovou os valores sem discussão e sem pedido de ‘desconto’ em um posto de gasolina próximo à propriedade rural. Carlos Rodrigues Prado falou à Operação Lava Jato como testemunha de acusação em ação penal contra o petista.

O empreiteiro afirmou ter cobrado o montante de R$ 163 mil, dividido em quatro vezes, para fazer a obra em 2010. De acordo com ele, a reforma teve início em dezembro daquele ano e ‘rolou ali uns 30 dias, mais ou menos’.

Ex-Assessor de Lula enviou dados de Bittar para nota fiscal, diz empreiteiro

Ao juiz Moro, o empreiteiro relatou que foi chamado pelo engenheiro Frederico Barbosa, ligado à Odebrecht, para terminar a obra de dois cômodos e de uma guarita do sítio. Segundo Carlos do Prado, o engenheiro o apresentou a Rogério Aurélio Pimentel, ex-assessor de Lula e também réu na ação sobre as reformas do sítio de Atibaia. O ex-presidente é acusado por corrupção e lavagem de dinheiro.

“Eu não sabia nem o nome dele (Aurélio). Depois que eu fiquei sabendo que o Aurélio é uma pessoa que negociava ou acertava os negócios da obra. Inicialmente, a única pessoa que eu conhecia lá era o seu Frederico. Esse Aurélio foi quando eu fiz o orçamento, que eu liguei para o Frederico: ‘olha, o orçamento da obra está pronto’. A gente encontrou em um posto de gasolina que tinha lá antes de chegar na obra e encontrei com o Frederico e esse Aurélio. Ele (Frederico) falou: ‘o dono da obra é esse daqui’. Eu passei para ele, eles conversaram lá e a gente começou a tocar a obra”, contou.

PF abre inquérito sobre propina em plataformas da Petrobrás

Marcelo Odebrecht entrega nota fiscal de pagamento a filme de Lula

O empreiteiro foi questionado pelo Ministério Público Federal sobre o orçamento da obra. O procurador quis saber se Carlos do Prado havia passado a estimativa dos gastos a Aurélio e também se o ex-assessor de Lula havia concordado.

“Concordou. Não teve assim nem discussão: ‘Ah, me dá um desconto’”, disse Carlos do Prado.

“O Frederico tinha me comentado que a obra ia ser tocada todos os dias e não tinha horário para parar, poderia parar 20h, 21h, ia depender do avanço da obra. Então, não teve muito assim discussão: ‘ah, me faz isso aqui mais barato’ ou ‘isso aqui está caro’. Não houve essa discussão.”

Carlos do Prado narrou que colocou ‘10, 11 pessoas, não passou disso’.

“O Frederico falava ali em 30 dias, disse que em 30 dias a obra tinha que estar pronta”, disse.

O empreiteiro relatou que combinou de receber o pagamento ‘por semana em espécie’.

O Ministério Público Federal perguntou a Carlos do Prado quem era o responsável pelo pagamento.

“O Aurélio”, respondeu o empreiteiro.

“Sempre quando ele ia para o sítio, nesse posto de gasolina, a gente se encontrava lá. Ele me entregava o envelope, eu pegava e ia embora. (…) Normalmente ele anotava em um envelope, um papelzinho com o valor que estava lá dentro. Eu pegava, conferia, tudo certo.”

A última parcela foi paga, segundo Carlos do Prado, em 8 de Fevereiro de 2011: R$ 43 mil.

“Foi o último pagamento, que a gente já não estava nem com funcionário lá. Eu recebi isso aí, inclusive foi feito um depósito desse restante”, afirmou.

A denúncia do Ministério Público Federal, no caso do sítio de Atibaia, aponta que Aurélio é ex-servidor da Presidência da República e foi o responsável pelo recebimento dos bens do petista no sítio em 8 de janeiro de 2011. Segundo a Lava Jato, naquele ano, Aurélio ‘era servidor ocupante de cargo em comissão da Presidência da República e assessorava Lula diretamente’.

“Rogério Aurélio era pessoa da estrita confiança de Lula, tendo desempenhado funções de destaque durante todo o processo de reforma do sítio em benefício do então Presidente da República”, acusa a Procuradoria da República.

A reportagem fez contato com a defesa de Roberto Teixeira. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, A DEFESA DE LULA

“Carlos Rodrigues Prado afirmou que jamais teve conhecimento de qualquer relação entre contratos da Petrobras e a reforma que disse ter realizado no sítio de Atibaia, que é a real acusação feita pelo Ministério Público contra o ex-Presidente Lula.

A testemunha também não fez referência a qualquer atuação de Lula em relação a essa reforma, que, se realizada, foi incorporada à propriedade de bem imóvel que pertence à família Bittar.

O depoimento dessa testemunha, portanto, reforça a improcedência da acusação feita contra Lula e o “lawfare” praticado contra o ex-Presidente, que consiste no mau uso e no abuso das leis e dos procedimentos jurídicos para fins de perseguição política.

CRISTIANO ZANIN MARTINS”, advogado de defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

COM A PALAVRA, O ADVOGADO JOÃO VICENTE AUGUSTO NEVES, QUE DEFENDE ROGÉRIO AURÉLIO PIMENTEL

“O depoimento apresentou uma série de contradições com o depoimento do Frederico Barbosa. Ele não diz ao certo quantas vezes esteve na obra, depois não diz ao certo onde encontrou com o Rogério. Ele alega ter encontrado com o Rogério quatro vezes para receber. O Rogério nega isso, que nunca encontrou com ele para fazer nem um tipo de pagamento. Ele se confunde na hora de descrever o Rogério. Ele não descreve fisicamente como era essa pessoa que se encontrou com ele para entregar quatro envelopes com uma quantia considerável de dinheiro. O Rogério nega que tenha encontra com ele para fazer qualquer repasse.”

COM A PALAVRA, ODEBRECHT

“A Odebrecht continua colaborando com a Justiça no Brasil e nos países em que atua. Está empenhada em ajudar a esclarecer qualquer dúvida sobre os relatos apresentados por seus executivos e ex-executivos. O acordo de colaboração da Odebrecht já se provou eficaz, inclusive com desdobramento em novas investigações e processos judiciais no Brasil e no exterior. A Odebrecht está comprometida a combater e não tolerar a corrupção, qualquer que seja a sua forma.”