Alexandre tira do STF processos de Aécio e outros 7 parlamentares

Alexandre tira do STF processos de Aécio e outros 7 parlamentares

Ministro do Supremo enviou à Justiça Estadual de Belo Horizonte inquérito sobre supostos desvios na Cidade Administrativa que envolve o tucano

Rafael Moraes Moura e Amanda Pupo

08 Maio 2018 | 14h51

Senador Aécio Neves. FOTO: ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO

BRASÍLIA – O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu encaminhar para outras instâncias processos contra oito parlamentares, entre eles um inquérito instaurado com base na delação da Odebrecht que investiga o senador Aécio Neves (PSDB-MG) pelos crimes de corrupção passiva, fraude em licitação e lavagem de dinheiro.

+ Em palestra, Fachin diz que não há crise institucional no País

O inquérito do tucano será encaminhado para a Justiça Criminal Estadual de Primeiro Grau da Comarca de Belo Horizonte, para “regular e livre distribuição”, conforme determinado por Moraes. O processo investiga supostas irregularidades na construção da Cidade Administrativa no segundo mandato de Aécio como governador de Minas Gerais.

+ Marun diz que prorrogação de inquérito dos portos é ‘perseguição’

A investigação apura o suposto pagamento de R$ 5,2 milhões da Odebrecht a Aécio no âmbito das obras de construção da Cidade Administrativa, sede oficial do governo mineiro que foi inaugurada pelo tucano em março de 2010.
Procurada pela reportagem, a defesa do senador Aécio Neves informou que a decisão de Moraes já era esperada e reiterou que as obras da Cidade Administrativa foram regulares.

+ Foro privilegiado: entenda o que mudou após decisão do STF

“O senador Aécio Neves reitera que jamais participou da formação de suposto cartel. O edital de licitação foi previamente apresentado ao Ministério Público de MG e ao Tribunal de Contas do Estado. A licitação foi objeto de ampla investigação por parte do Ministério Público Estadual que concluiu pelo arquivamento de falsas denúncias após constatar a regularidade de todos os procedimentos. As obras foram auditadas em tempo real por uma empresa independente”, disse o advogado Alberto Zacharias Toron.

+ Toffoli manda para 1ª instância de Natal inquérito contra Rogério Marinho

As decisões de Moraes foram tomadas a partir do entendimento do STF de restringir o foro privilegiado para deputados federais e senadores, que só deve valer para os crimes cometidos no exercício do mandato e em função do cargo.

CASOS. Ao todo, Moraes encaminhou para outras instâncias seis inquéritos e uma ação penal, totalizando sete processos. A ação penal investiga o deputado federal Roberto Góes (PDT-AP) por crime de responsabilidade, associação criminosa e falsificação de documento público, durante a época em que comandava a Prefeitura de Macapá. A ação será encaminhada à 4ª Vara Criminal da Comarca de Macapá.

Um inquérito que investiga os deputados federais Cesar Hanna Halum (PRB-TO) e Carlos Henrique Amorim (DEM-TO) será enviado à Justiça Criminal Estadual de Primeiro Grau da Comarca de Palmas. A apuração diz respeito aos crimes de peculato, corrupção passiva, tráfico de influência entre 2008 e 2010, na época em que Hanna Halum e Carlos Henrique Amorim eram, respectivamente, deputado estadual e governador de Tocantins.

No caso do deputado federal Luis Holoshi Nishimori (PR-PR), ele é investigado por estelionato, associação criminosa e falsidade ideológica, crimes que teriam cometidos entre 2003 e 2006, quando exercia o cargo de deputado estadual no Paraná. O caso será encaminhado ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

Já um inquérito que apura suspeitas de caixa 2 envolvendo o deputado federal Betinho Gomes (PSDB-PE) será enviado à Justiça Eleitoral de Jaboatão dos Guararapes (PE). O crime teria sido cometido quando Gomes era candidato ao cargo de deputado estadual de Pernambuco.

Moraes também retirou do STF um inquérito que investiga o deputado federal Valdir Luiz Rossoni (PSDB-PR) por suspeita de peculato quando ocupava o cargo de deputado estadual no Paraná. O processo será remetido à Justiça Criminal Estadual de Primeiro Grau da Comarca de Curitiba.

Um outro inquérito que deixa o STF mira o deputado federal Ricardo Teobaldo Cavalcanti (Podemos-PE), investigado por crime contra as finanças públicas quando era prefeito de Limoeiro, em Pernambuco. A investigação será remetida à Justiça Criminal Estadual de 1º Grau da Comarca de Limoeiro.

COM A PALAVRA, AÉCIO

Em nota, a defesa do senador Aécio Neves (PSDB-MG) afirmou nesta terça-feira, 8, que a decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), de encaminhar processo contra o parlamentar para a primeira instância era uma medida “esperada”, já que foi baseada em decisão do pleno do Supremo Tribunal Federal sobre a restrição do foro privilegiado.

“O senador Aécio Neves reitera que jamais participou da formação de suposto cartel. O edital de licitação foi previamente apresentado ao MP-MG e ao TCE. A licitação foi objeto de ampla investigação por parte do Ministério Público Estadual que concluiu pelo arquivamento de falsas denúncias após constatar a regularidade de todos os procedimentos. As obras foram auditadas em tempo real por uma empresa independente”, escreveu o advogado Alberto Zacharias Toron.