Juízes do Rio têm verba até para material escolar

Juízes do Rio têm verba até para material escolar

Coluna do Estadão

05 Fevereiro 2018 | 05h30

REPRODUÇÃO TJ-RJ

Magistrados do Estado do Rio têm direito a receber uma série de auxílios, além dos salários, para despesas com transporte, moradia, refeição e educação dos filhos até completarem 24 anos. São oito os penduricalhos, que somados podem elevar os contracheques para R$ 38,6 mil por mês. Juízes e desembargadores têm direito a verba mensal de R$ 1.136,53 para pagar mensalidade escolar. Quem tem três filhos, teto máximo, embolsa R$ 3,4 mil. Se a mensalidade for menor do que o valor do auxílio, a diferença cobre matrícula, material e uniforme.

Ninguém perde. O TJ-RJ também concede o benefício “caso o filho do magistrado frequente instituição pública de ensino”. Nesses casos, uma cota da verba é paga no início do ano, para “ressarcir as despesas de material e uniforme”.

Na mira. Desde 2012, uma ação no Supremo contesta benefícios concedidos aos juízes do Rio pelo então governador Sérgio Cabral. O caso deve voltar a ser analisado. O ministro Luiz Fux, que passou os últimos cinco anos com a ação, devolveu para julgamento.


Partido do Temer. Aliados do presidente Michel Temer em vários partidos discutem montar uma tropa de choque para ele no Congresso, que lhe garanta também força política para negociar apoio na eleição presidencial deste ano.

Compromissos. O grupo deve reunir de 100 e 150 deputados que vão apoiar o candidato de Temer ao Planalto, independentemente do nome escolhido por seus partidos. O bloco também atuaria para blindá-lo na Câmara. As conversas têm o aval do presidente Temer e do  senador Romero Jucá (MDB-RR).

 

Sinais Particulares: Romero Jucá, senador e líder do governo; por Kleber Sales

Só problema. Alvo de pressão diária do PR, o ministro Carlos Marun, da articulação política, perdeu a paciência. A sigla de Valdemar Costa Neto quer a Secretaria Nacional de Saneamento. O cargo é do MDB.

Climão. A Operação Pausare acirrou os ânimos na Procuradoria da República do DF. Capitaneada pelo procurador Ivan Marx, a investigação avança sobre o Postalis. Até então, o fundos de pensão dos Correios era alvo de outro procurador, Anselmo Lopes, da Operação Greenfield.

Lupa. A Comissão de Ética Pública da Presidência vai incluir na pauta do colegiado dia 19 análise de denúncias envolvendo o chefe da Infraero, Antônio Claret.

O caso. A Coluna do Estadão revelou que das 65 viagens feitas por Claret, 57 foram para Belo Horizonte, onde mora, além de usar verba pública para comprar assento conforto, que garante poltronas mais espaçosos em voos nacionais.

LEIA TAMBÉM: Chefe da Infraero fez 57 viagens para sua cidade

De olho. “Um dos nossos principais focos consiste na identificação de desvios de finalidade em viagens oficiais”, diz o presidente da comissão, Mauro Menezes. “Não adianto juízo de valor, mas o teor das revelações justifica essa providência.”

CLICK. Vários ministros já caíram na folia neste fim de semana. O pernambucano Mendonça Filho (Educação) postou uma foto pronto para “brincar” o pré-carnaval de Olinda.

 

INSTAGRAM MENDONÇA FILHO

Apelo. Para convencer Roberto Jefferson a recuar da nomeação de Cristiane Brasil para o Ministério do Trabalho, petebistas vão argumentar que o desgaste pode atrapalhar inclusive a candidatura dele a deputado federal por São Paulo.

Sem quórum. A sessão de abertura do Congresso hoje deve ser esvaziada. Se já é difícil reunir parlamentares na segunda, a situação fica pior na semana que antecede o carnaval. Votação mesmo só na terça à noite.

PRONTO, FALEI!

Deputado Roberto Freire (PPS-SP)    JF DIORIO/ESTADÃO

“O cenário político eleitoral continua indefinido, mas teve uma grande definição, que foi a impossibilidade de Lula disputar a eleição por ser ficha-suja”, DO DEPUTADO E PRESIDENTE DO PPS, ROBERTO FREIRE.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE, LEONEL ROCHA E ISADORA PERON

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão