Política

politica

CCJ aprova parecer contrário à aceitação da denúncia contra Temer

Colegiado aprovou o parecer de Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), aliado de Temer, por 41 votos a 25; relatório deve ainda ser votado no plenário

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou, na noite desta quinta-feira 13, relatório contrário à aceitação da denúncia por corrupção passiva contra o presidente Michel Temer. Por 41 votos a 24, o colegiado garantiu uma primeira vitória a Temer no Congresso. Agora o texto seguirá para plenário e, para que a denúncia não seja aceita, Temer precisará de 172 votos. 

O relatório aprovado nesta quinta, da autoria de Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), aliado ao governo, foi o segundo analisado pela comissão. O primeiro, de Sergio Zveiter (PMDB-RJ), dava parecer favorável à aceitação da denúncia. Ele foi derrotado por 40 votos a 25, placar previsto pelo Planalto. Em seguida, o deputado do PSDB foi indicado pelo presidente da comissão, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), como novo relator. Dos sete tucanos na comissão, apenas Abi-Ackel e mais um votaram contrariamente ao relatório de Zveiter. Leia mais sobre o novo relatório.

 

- PLACAR: Veja como votarão os deputados no plenário

ACOMPANHE AO VIVO

Atualizar
  • 19h13

    13/07/2017

    Nossa cobertura ao vivo fica por aqui. Muito obrigado a todos pela audiência! 

  • 19h12

    13/07/2017

    Um eventual afastamento de Temer do Palácio do Planalto depende não apenas de o plenário da Câmara votar pela admissibilidade da denúncia, mas também está condicionado à aceitação da denúncia pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Ou seja: se o governo for derrotado na Câmara, mas o plenário do STF decidir não receber a denúncia, o presidente continua no cargo. (Rafael Moraes Moura e Renan Truffi)

  • 19h10

    13/07/2017

    Deputados da oposição criticam manobras do governo  que garantiu vitória na CCJ da Câmara. "É vergonhoso o que está sendo feito pelo governo Temer, que está usando todo o poder que tem como presidente, a despeito de uma denúncia extremamente consistente, assinada pelo procurador-geral da República", afirmou o deputado Henrique Fontana (PT-RS).

  • 19h04

    13/07/2017

    LEIA MAIS: CCJ aprova parecer contrário à aceitação da denúncia contra Temer

  • 19h02

    13/07/2017

    Presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG) encerra reunião da CCJ.

  • 19h01

    13/07/2017

    41 SIM X NÃO 24 ( + uma abstenção) - Vence o parecer do deputado Paulo Abi-Ackel, que é contra a admissibilidade da denúncia contra Temer.

  • 18h58

    13/07/2017

    Todos os 66 deputados da CCJ já deram seus votos.

  • 18h57

    13/07/2017

    PT diz que vai buscar alteração regimental para evitar "vícios" como a troca de deputados na CCJ.

  • 18h51

    13/07/2017

    Começa a votação do novo relatório na CCJ.

  • 18h51

    13/07/2017

    PSB "entende que há indícios robustos para admissibilidade da denúncia" e corrige a orientação do partido, que agora vota "não" ao relatório pró-Temer de Abi-Ackel.

  • 18h50

    13/07/2017

    Carlos Marum (PMDB-MS), líder da maioria, diz que "a luz venceu a treva" e orienta voto a favor do parecer de Abi-Ackel.

  • 18h49

    13/07/2017

    "O tráfico de influência que a JBS queria, andou! Este parlamento insiste em contrariar o bom senso. A pergunta que nenhum dos defensores do governo responde é: pra quem foi a mala de dinheiro? Foi para Temer!", diz Henrique Fontana (PT-RS), que orienta a minoria a votar contrariamente ao relatório de Abi-Ackel.

  • 18h47

    13/07/2017

    Darcísio Perondi (PMDB-RS), vice-líder do governo, orienta voto favorável ao parecer de Abi-Ackel, pró-Temer.

  • 18h46

    13/07/2017

    PMB orienta voto contrário ao parecer de Abi-Ackel, ressaltando que a maioria da população deseja eleições gerais e diretas.

  • 18h45

    13/07/2017

    Alessandro Molon (REDE-RJ) diz que resultado da votação do relatório anterior, contra Temer, foi "falsa e artificial" devido às trocas de titulares na CCJ. O deputado orienta sua bancada a votar contra o texto atual, que é pró-Temer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.