Relator diz não ter dúvida sobre compra de votos no Congresso

Barbosa usa afirmações de Marcos Valério e Delúbio Soares para destacar que não há questionamento sobre existência do esquema

Eduardo Bresciani, de O Estado de S.Paulo,

17 de setembro de 2012 | 15h38

O relator do processo do mensalão, Joaquim Barbosa, iniciou seu voto sobre a compra de votos no Congresso Nacional destacando o posicionamento dos partidos apontados como envolvidos no esquema em votações de interesse do governo. Ele destacou repasses feitos aos dirigentes partidários em datas próximas às votações da Lei de Falências, reforma tributária e reforma previdenciária. Ele concluiu esta análise dizendo "não haver dúvidas da existência de compra de votos a esta altura do julgamento" e destacou haver farta demonstração documental e testemunhal no processo.

Barbosa destacou que a acusação afirma que foram comprados votos de PP, PTB, PL (atual PR) e PMDB. Citando as três votações, ele destacou que esses partidos apoiaram de forma majoritária ao mesmo tempo em que os dirigentes recebiam recursos do valerioduto.

"Esses repasses estão a demonstrar a existência de vinculação do pagamento de vantagens financeiras e o apoio parlamentar dos partidos recebedores", afirmou o relator.

Ele usou afirmações de Marcos Valério e Delúbio Soares para destacar que não há questionamento sobre a existência dos pagamentos. Observou que uma lista entregue por Valério e Simone Vasconcelos, ex-diretora de sua agência, detalhava os pagamentos e os beneficiários. Aproveitou ainda para ler o acórdão de recebimento da denúncia no STF e dar destaque que foi aceita, na época, a tese de que o núcleo político, formado por José Dirceu, Delúbio Soares e José Genoino, "teria interesse na compra de apoio político e criar condições para um grupo se perpetuasse no poder".

O relator destacou que vai analisar primeiro a acusação dos réus acusados de "vender" os votos. As acusações contra Dirceu, Delúbio, Genoino, Marcos Valério e outros réus pela "compra" serão analisadas somente após a abordagem sobre os recebedores.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalaomensalãojulgamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.