MPF quer encontrar outros três militares envolvidos em explosão do Riocentro

Procuradores defendem que as investigações continuem e que não há prescrição dos crimes

Luciana Nunes Leal, O Estado de S. Paulo

17 de fevereiro de 2014 | 18h42

RIO - Depois de denunciarem à Justiça, na semana passada, seis envolvidos na explosão da bomba do Riocentro, em 1981, procuradores do Ministério Público Federal (MPF) do Rio de Janeiro disseram nesta segunda-feira, 17, que as investigações continuam e poderão oferecer o benefício da delação premiada (chamada por eles de contribuição premiada) para pessoas que ofereçam novas informações sobre o caso.

Os procuradores estão em busca da identidade de três militares: dois deles tinham planos de continuar a praticar atentados semelhantes ao do Riocentro, com o objetivo de deter o processo de abertura, e o terceiro, de codinome Dr. Luiz, teria ameaçado a família do sargento Guilherme do Rosário, que carregava a bomba e morreu no atentado. Os procuradores sustentam que não houve prescrição dos crimes, por se tratarem de "ações de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado Democrático" e que outros crimes, como fraude processual e favorecimento pessoal, também são imprescritíveis.

No caso dos denunciados idosos, como o general reformado Newton Cruz, chefe da Agência Central do Serviço Nacional de Informações (SNI), de 89 anos, o procurador Antonio Cabral disse que foi pedido que o processo seja agilizado, até mesmo para que o depoimento à Justiça seja prestado o mais rápido possível. Além de Newton Cruz, foram denunciados pelos crimes de homicídio doloso duplamente qualificado o general reformado Nilton Cerqueira, na época comandante da Polícia Militar do Rio, o ex-delegado Claudio Guerra e o capitão Wilson Machado, que estava com o sargento Rosário no Puma onde a bomba explodiu, no estacionamento do Riocentro.

O MPF pediu penas de 36 anos para Guerra, Cerqueira e Machado e de 36 anos e 6 meses para Cruz. O general reformado Edson Sá Rocha foi denunciado por associação criminosa armada, com pedido de pena de 2 anos e 6 meses. O major reformado Divany Carvalho Barros é acusado de fraude processual, com pena de 1 ano. Divany confessou aos procuradores ter ido ao local do acidente, depois da explosão, para recolher provas. Sá Rocha recusou-se a falar, mas é acusado de ter tramado um atentado no Riocentro um ano antes, em ação que acabou abortada por ordens superiores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.