Demissão na ANS contrange Senado, diz Randolfe

O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) afirmou nesta quinta-feira, 03, que a demissão do diretor da Agência Nacional de Saúde (ANS) Elano Figueiredo causa "constrangimento" ao Senado. Elano pediu exoneração do cargo após a Comissão de Ética Pública da Presidência da República ter recomendado sua destituição. O processo foi aberto com base em reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, que revelou no dia 3 de agosto, um dia depois de ele tomar posse, que ele omitiu do currículo público ter trabalhado para a operadora de saúde Hapvida.

RICARDO BRITO, Agência Estado

03 de outubro de 2013 | 17h34

Em discurso no plenário, Randolfe lembrou que apresentou um pedido para anular a indicação de Elano. O pedido, entretanto, não prosperou na Casa. O currículo foi encaminhado pela Presidência da República ao Senado e serviu de base para que os parlamentares promovessem sua sabatina. "Nós não o fizemos (a anulação) e, em decorrência disso, o que ocorre é que a Comissão de Ética de outro Poder, do Poder Executivo, passa a nos dizer o que é ético", disse.

Segundo o senador do PSOL, o Senado, responsável por fazer a sabatina de dirigentes de agências reguladoras, é quem não deveria "ter passado por esse constrangimento". "Poderia ter sido acatada a questão de ordem que formulamos, que a liderança do PSOL, que eu formulei à Mesa do Senado e o próprio Senado ter revisto isso", criticou.

O jornal também revelou que Elano assinou dezenas de ações em defesa da Hapvida, quando trabalhou para a empresa com carteira assinada, contra a ANS. Ele havia justificado que não incluiu o trabalho para a operadora porque apenas advogou para a empresa, mas o jornal mostrou que ele foi diretor, com carteira assinada.

Tudo o que sabemos sobre:
ANSDIRETORDEMISSÃO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.