Zinco, o motivo da falta de apetite infantil, diz pesquisa

O drama enfrentado por muitas mães se repete a cada dia - filhos que só comem doces e, na hora das refeições, reclamam e acabam não se alimentando corretamente - pode estar no fim. Uma pesquisa da Universidade de Brasília (UnB), publicada no Jornal de Pediatria, revela que a carência de zinco pode ser uma das razões para a falta de apetite infantil: 85% das crianças que tiveram suplementação com zinco passaram a comer normalmente.A carência do zinco pode resultar em uma perda da capacidade de perceber sabores e odores de alguns tipos de alimentos, tornando a criança indiferente às refeições que os contenham, embora mantenha apetite normal para outras fontes alimentares.O estudo, segundo a Agência Brasil, avaliou 40 crianças com idade entre oito meses e cinco anos, selecionadas entre pacientes atendidos no ambulatório pediátrico, a partir da queixa de falta de apetite para comida de sal. Foram formados dois grupos de 20 crianças, sendo, a um deles, administrada suplementação com zinco. Também foi respondido, por todos os pais, um formulário abordando questões relativas à duração do aleitamento materno, idade da introdução de alimentos complementares, duração da história de falta de apetite, trabalho da mãe fora do domicílio e práticas utilizadas para forçar a alimentação, entre outras questões. Após os seis meses de observação, os pesquisadores constataram que a suplementação com zinco melhorou a aceitação de refeições de sal por crianças. Das 20 crianças que receberam suplementação com zinco, 17 recuperaram o apetite para refeições de sal. Estima-se que 15% das consultas pediátricas de crianças com até quatro anos de idade sejam devido à falta de apetite: "osintoma se manifesta, geralmente, após o desmame, quando se introduzem na dieta do lactente os alimentos contendo sal.Outras vezes atinge crianças maiores, após a convalescença de quadros infecciosos diversos", dizem os pesquisadores. Eles destacam que, mesmo banalizada pelo pediatra, a falta de apetite infantil é uma manifestação importante, "responsávelpor estados de tensão e ansiedade na relação mãe/filho". As mães que participaram da pesquisa receberam a mesma orientação: oferecer refeições em horário regular, não constranger a criança para forçar a alimentação, não fazer comentários depreciativos se a criança recusasse o alimento, não oferecer outro alimento para compensar refeições recusadas. Também foi recomendado às mães que não criassem clima de discussão, ameaças ou premiações para obter a aceitação dos alimentos recusados, dando importância mínima à recusa alimentar. Os pesquisadores concluíram que a suplementação com zinco pode ser um fator complementar à recuperação do apetiteinfantil. Para garantir maior aproveitamento desse estudo, os pesquisadores destacam a importância de que sejam feitas maispesquisas para i nvestigar danos causados por carências nutricionais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.