Zimmermann: não tenho convite para permanecer no governo

No governo desde 2005, o secretário-executivo do Ministério das Minas e Energia (MME), Márcio Zimmermann, afirmou nesta sexta-feira, 7, que, por enquanto, não existe nenhum convite para permanecer no novo mandato da presidente Dilma Rousseff. Se nada mudar, o engenheiro da Eletrobras diz que se reapresentará à Eletrosul, em Santa Catarina, no dia 2 de janeiro.

MARIANA DURÃO, Estadão Conteúdo

07 de novembro de 2014 | 15h22

"Se fui para o ministério foi porque alguém me convidou. Se você tem agora um novo governo, não existe nenhum convite e eu estou voltando para a minha empresa (Eletrosul). Dia 2 de janeiro estou indo me apresentar, senão descontam do meu salário", brincou, afirmando que deve voltar à sua base porque pretende continuar na ativa.

O executivo, entretanto, não descartou permanecer no governo Dilma caso receba um convite até 31 de janeiro, quando termina seu contrato. Zimmermann chegou ao governo do PT em 2005, ainda no primeiro mandato do presidente Lula, para ocupar a Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético do MME. Em março de 2010, foi promovido ao cargo de ministro das Minas e Energia após a saída de Edison Lobão, que deixou o governo na época para se candidatar ao Senado.

Com a volta de Lobão ao comando do ministério, em 2011, ele assumiu a Secretaria Executiva do MME. Desde então vem atuando como interino do ministro.

Zimmermann evitou comentar os rumores de que Lobão estaria demissionário. Antes de chegar ao MME, Zimmermann estava cedido ao Centro de Pesquisa de Energia Elétrica (Cepel), do sistema Eletrobras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.