Zilda Arns cobra maior atuação do governo nas áreas sociais

A coordenadora nacional da Pastoral da Criança, Zilda Arns, cobrou nesta terça-feira do governo federal "mais garra" na implementação de políticas de geração de renda, de saneamento básico e habitação para as populações carentes. Ao ser perguntada sobre como avalia o trabalho social do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Arns reconheceu a importância do Bolsa Família no combate à pobreza, mas disse que o programa precisa ser acompanhado de outros projetos, principalmente os que priorizem a geração de renda. "Eu considero que o Bolsa Família é uma atividade que ajuda as famílias pobres, mas ela precisa ser acompanhada por projetos de geração de renda, de escola, porque ela prevê que a criança vá para a escola, que a mãe faça o pré-natal, amamente o filho etc. Mas precisa de mais garra na área de geração de renda, de saneamento básico, de habitação, que isso está bastante fraco", disse a coordenadora, que participou pela manhã da assinatura de um convênio com o governo de Minas, no Palácio da Liberdade. CapacitaçãoO convênio visa a capacitação de voluntários no Estado. "Nós precisamos avançar mais porque estamos com 27% das crianças pobres de Minas na Pastoral da Criança. Mas queremos atingir pelo menos 50%. Para isso, precisamos mais de voluntários, mais comunidades na Pastoral da Criança", observou Arns. "Esse convênio vai, principalmente, para as áreas mais pobres de Minas Gerais para treinar quatro mil líderes e incentivar o trabalho em novas comunidades pobres". Segundo a coordenadora, a Pastoral acompanha atualmente cerca de 1,8 milhão de crianças pobres no Brasil. Na solenidade, o governador de Minas, Aécio Neves (PSDB), assinou autorização para a construção de Centros Viva a Vida de Atenção à Mulher e à Criança em 27 municípios do interior do Estado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.