Cristiane Mattos/O Tempo
Cristiane Mattos/O Tempo

Zema anuncia políticos para equipe de transição em Minas Gerais

Segundo governador eleito, comissão pode chegar a 20 integrantes; coordenação do grupo será feita por vereador

Leonardo Augusto, O Estado de S.Paulo

01 Novembro 2018 | 20h45

BELO HORIZONTE - O governador eleito de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), anunciou nesta quinta-feira, 1º, os primeiros nomes que vão integrar a sua equipe de transição. A coordenação do grupo será feita pelo vereador de Belo Horizonte Mateus Simões, do mesmo partido, que por ora terá a seu lado o economista Victor Cezarini, o empresário Victor Garizo Becho, o engenheiro Rodrigo Paiva – candidato derrotado ao Senado por Minas – e a advogada Luciana Lopes – que tentou e não conseguiu uma vaga na Câmara dos Deputados. Paiva e Luciana também são filiados ao Novo.

Zema afirmou que a comissão de transição irá aumentar nas próximas semanas, podendo chegar a 20 integrantes, e que nenhum deles vai fazer parte do secretariado de governo. A decisão neste sentido foi tomada, segundo Zema, por questão de “isenção”.

“Achamos mais conveniente. Quem é da transição vai ajudar só na transição”, disse Zema, acrescentando que todos são voluntários.

O governador eleito voltou a dizer que todos os secretários vão passar pelo crivo de profissionais de recursos humanos.

Ele afirmou ainda que o foco do grupo de transição será o levantamento da situação financeira do Estado, que tem parcelado o pagamento de salários dos servidores e atrasado o repasse de verbas para prefeituras. De acordo com a Associação Mineira de Municípios (AMM), a dívida somaria hoje R$ 8,1 bilhões.

“Sabemos que é muito crítico (a situação de caixa do governo estadual), que vai levar tempo para ser solucionado, mas não sabemos a profundidade, porque muitas vezes alguma artifício contábil pode deixar a situação mascarada”, disse ele. Procurada, a assessoria do governo Fernando Pimentel (PT) não havia respondido até a conclusão desta edição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.