Zeca do PT terá 15 dias para se defender de acusação

O ex-governador de Mato Grosso do Sul, José Orcírio Miranda dos Santos, o Zeca do PT, e 10 pessoas que trabalharam em seu último governo (2002 a 2006) terão 15 dias para apresentarem uma defesa preliminar da acusação de desvio de dinheiro. A decisão é do juiz Dorival Moreira dos Santos, da Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos. Na sexta-feira, o Ministério Público Estadual (MPE) denunciou o ex-governador e os outros 10 por desvio de parte dos R$ 57 milhões destinados ao gasto com publicidade do governo estadual, de 2005 a 2006. Os denunciados terão de se defender de acusações de peculato, falsificação de documentação pública, falsidade ideológica, falsificação de documentação particular, uso de documento público e uso de documento particular falso. Apenas depois da audiência para a defesa preliminar é que o juiz vai decidir se acata ou não as denúncias. Conforme explicou a promotora pública, Jiskia Trentin, o esquema consistia em "esquentar" um falso talonário de notas fiscais para pagar as agências de publicidade que trabalhavam para o governo na época. De cada nota forjada, as agências devolviam para o governo 10% ou 5%. Até agora, os promotores conseguiram notas falsas e outros documentos que provam irregularidades na comprovação de despesas no valor de R$ 318 mil. A família do ex-governador informou que ele está viajando. Diretores das empresas disseram que a documentação fiscal está totalmente legal e provarão toda lisura na prestação de contas, em juízo. Os demais preferem aguardar o dia da audiência de defesa preliminar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.