Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Zeca Dirceu defende o pai nas redes sociais

'O fato de os investigados e citados na Lava Jato do PSDB e outros partidos políticos não estarem presos é uma demonstração clara da ausência de imparcialidade e equilíbrio das ações, situação que precisa ser imediatamente corrigida', disse o deputado

ANA FERNANDES, O Estado de S. Paulo

03 de agosto de 2015 | 16h08

Brasília - O deputado Zeca Dirceu (PT-PR) usou sua conta no Facebook para falar da prisão do pai, o ex-ministro José Dirceu, na 17ª fase da operação Lava Jato. Zeca se solidarizou com o pai e afirmou não haver imparcialidade nas ações da investigação de corrupção na Petrobrás.

"O fato de os investigados e citados na Lava Jato do PSDB e outros partidos políticos não estarem presos é uma demonstração clara da ausência de imparcialidade e equilíbrio das ações, situação que precisa ser imediatamente corrigida", diz a postagem.

"Amo meu pai, nada e nem ninguém fará isso mudar. Ele terá todo meu apoio, estarei sempre junto à sua defesa e no cuidado de nossa família", diz outro trecho.

Sobre seu trabalho como deputado, Zeca diz que seguirá "com fé" cumprindo suas obrigações. "Diante de todas as circunstâncias que vive meu pai, o PT, o Governo Federal e o Brasil, entendo que só existe uma solução, não desanimar, trabalhar dobrado, errar jamais e acertar muito em ações que de fato melhorem a vida de cada um dos brasileiros", conclui na mensagem.

José Dirceu foi preso preventivamente, segundo os investigadores da Lava Jato, por causa de evidências de que mesmo após condenado no processo do mensalão, o ex-ministro teria continuado a coordenar o esquema de corrupção na Petrobrás.

A força-tarefa da Lava Jato sustenta que Dirceu operou desvios para o PT e para si, com objetivo de enriquecimento pessoal. Ainda segundo as investigações, a JD Consultoria de Dirceu seria uma empresa de fachada que recebeu pelo menos R$ 39 milhões das empreiteiras envolvidas no escândalo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.