Yeda vai encaminhar notas fiscais sobre gastos públicos à AL

Bancada de oposição na CPI da Corrupção acusa governadora de usar dinheiro público para equipar sua casa

Rodrigo Alvares, do estadao.com.br,

08 de outubro de 2009 | 15h36

O secretário da transparência do Rio Grande do Sul, Francisco Luçardo, vai encaminhar nesta quinta-feira à Assembleia Legislativa as notas fiscais que contêm os detalhes dos gastos do governo Yeda Crusius (PSDB). Na última quarta-feira, a bancada de oposição na CPI da Corrupção acusou Yeda de usar dinheiro público para o pagamento de aquisições de um piso emborrachado e de móveis para a casa que comprou ao final da campanha eleitoral de 2006.

 

Veja Também

linkNotas comprovam que Yeda usou dinheiro público, diz oposição

linkOposição tenta reverter arquivamento de impeachment de Yeda

 

Em entrevista à Rádio Gaúcha, Luçardo disse que o valor total "seria de R$ 13 mil". "Armários, camas, sofá, colchões, e esses bens estão patrimoniados, sob responsabilidade de uma pessoa do gabinete da governadora", afirmou. Os documentos serão encaminhados ao líder do governo na Assembleia, Pedro Westphalen (PP), que deve entregá-los ao deputado Daniel Bordignon (PT-RS).

 

O secretário ressaltou que o material emborrachado foi adquirido para a garagem da casa, que atualmente é utilizada como acomodação para os seguranças da governadora. Câmaras de segurança também foram compradas e instaladas no local. Luçardo chegou a declarar que esses documentos estão à disposição da população no Portal da Transparência do governo. Entretanto, os gastos - feitos em 2007 - não estão no site.

 

Em nota oficial divulgada na quarta-feira, 7, o governo justificou ser totalmente legal a aquisição de bens e serviços necessários à habitabilidade do local onde o governante reside. Os bens adquiridos tiveram processo de compra e pagamento aprovados pela CAGE, e estão devidamente registrados no patrimônio público, com termo de responsabilidade.

 

Em defesa do governo, o relator da CPI, Coffy Rodrigues (PSDB), disse que a residência da governadora é considerada uma extensão da casa oficial, que é o Palácio Piratini, e pode ter algumas de suas despesas pagas pelo erário público.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.