Yeda recompõe secretariado para a posse no RS

A governadora eleita do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), nomeou no início da noite de sábado os três secretários que faltavam para completar seu primeiro escalão. A equipe está completa, mas é improvisada e deve sofrer modificações nos primeiros meses de gestão, quando o organograma do governo será alterado pela fusão de algumas secretarias. A montagem do secretariado foi dificultada pela saída dos deputados estaduais Marquinhos Lang (PFL), Berfran Rosado (PPS) e Jerônimo Goergen (PP). Eles estavam escalados para as pastas de Justiça e Inclusão Social, Planejamento e Gestão e Agricultura, respectivamente, mas desistiram de participar do governo por discordarem da proposta de aumento de impostos que o governador Germano Rigotto (PMDB) encaminhou à Assembléia Legislativa na terça-feira a pedido de Yeda. O pacote foi rejeitado na sexta-feira. Na nova composição, o cientista político Fernando Schüller (PSDB) será o secretário de Justiça e Inclusão Social. Inicialmente ele assumiria a nova secretaria geral de governo, mas a criação da pasta foi suspensa temporariamente. O economista Ariosto Culau, funcionário de carreira e atual secretário do Ministério do Planejamento, deixará Brasília para comandar a secretaria do Planejamento e Gestão. E o advogado Celso Bernardi (PP), acumulará a secretaria de Relações Institucionais, para a qual já estava escalado, com a secretaria da Agricultura, até que seu partido indique um titular definitivo para o lugar deixado por Goergen. Yeda toma posse às 16 horas desta segunda-feira, na Assembléia Legislativa, e recebe o cargo de Rigotto às 17 horas, no Palácio Piratini. Logo depois empossa o secretariado.

Agencia Estado,

31 Dezembro 2006 | 16h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.