Yeda nega denúncia e diz que acusação é para 'atacar e agredir'

Governadora do RS é denunciada à Procuradoria da República por suspeita de caixa 2 na campanha eleitoral

Sandra Hahn e Elder Ogliari, de O Estado de S. Paulo,

06 de julho de 2009 | 17h32

A governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), emitiu nota nesta segunda-feira, 6, em que reafirma a "obrigação de responsabilizar os que na ânsia de atacar e agredir afrontam a verdade e violentam a imagem de pessoas e instituições". A nota não especifica quais seriam os alvos do governo, que hoje foi sacudido pela divulgação de que o Ministério Público Federal enviou para a Procuradoria-Geral do órgão, em Brasília, relato do empresário Lair Ferst com 20 supostas irregularidades na campanha eleitoral e na gestão tucana.

 

Veja também:

especial Cronologia do caso Yeda Crusius

link Yeda é denunciada à Procuradoria da República por caixa 2

 

Yeda participou esta manhã de reunião do secretariado, que estava previamente agendada, e deixou o local do encontro, no Centro Administrativo do Estado, sem conceder entrevistas. Secretários que participaram da reunião disseram, ao final, que foi discutida apenas a reforma dos planos de carreira do funcionalismo e defenderam que as denúncias - publicadas nesta segunda pelo jornal Zero Hora - são repetidas sem provas e não irão afetar o andamento do governo. "Não há nada de novo na divulgação do referido jornal", diz o governo, na nota.

  

"Todas as supostas denúncias são fatos já mencionados no passado, sem qualquer comprovação, com o claro objetivo de criar dúvida e estabelecer desconfiança na relação do governo com a sociedade", prossegue a nota, acrescentando que as contas da campanha eleitoral foram "julgadas, auditadas pelos órgãos competentes e aprovadas, o que permitiu a diplomação da governadora". A nota também afirma que o governo "aguarda com serenidade o desenvolvimento das investigações, confiando que a Justiça seja feita e respeitando todos os princípios democráticos".

 

O empresário Lair Ferst cita, em seu relato, suposto uso de caixa 2 durante a campanha, afirma que Yeda comprou uma casa por valor superior ao declarado - adquirida no dia 6 de dezembro de 2006, pouco antes que ela assumisse o cargo - e que houve pagamento de propina a integrantes do governo ligados ao Departamento Estadual de Trânsito (Detran). O governo lembra, na nota, que a compra da casa foi avaliada pelo Ministério Público Estadual e o órgão arquivou representação por concluir que não houve prática de crime.

Tudo o que sabemos sobre:
Yeda CrusiusRio Grande do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.