Yeda e vice se reaproximam após um ano de desavenças

Após um primeiro ano de gestão pontuado por desavenças, a governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), e seu vice, Paulo Afonso Feijó (DEM), tiveram uma reunião hoje para marcar a reaproximação. Ao final de pouco mais de uma hora, Feijó confirmou que seu partido passará a fazer parte do conselho político do governo na próxima semana, onde poderá apresentar propostas à administração.As discordâncias entre Yeda e Feijó se tornaram explícitas nas duas tentativas da governadora de elevar impostos, ao final de 2006 - quando o então governador Germano Rigotto (PMDB) enviou projeto a pedido da sucessora - e de 2007, dentro do plano de ajuste fiscal da tucana. Nas duas ocasiões, Feijó atuou ao lado de entidades empresariais contrárias aos projetos, rejeitados pelos deputados. "O PFL se colocou na oposição", declarou Yeda na época em que a Assembléia derrubou a primeira proposta por 28 a 24, com votos do PFL."Vamos deixar o passado e olhar para a frente", disse Feijó. Da mesma forma, o deputado federal Claudio Diaz (PSDB-RS) reforçou o acordo recente. "O diálogo e o entendimento já reinam entre DEM e tucanos", completou, após participar da reunião. O vice-governador precisará substituir Yeda em breve quando a tucana estará em Washington, nos Estados Unidos, para tratar de pedido de financiamento do Estado com o Banco Mundial (Bird), em data ainda não confirmada. "Não muda nada", respondeu Feijó, ao ser questionado sobre possíveis mudanças durante sua interinidade, dizendo que irá cumprir seu papel "constitucional".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.