Xifópagas morrem em Belo Horizonte

As gêmeas xifópagas, que estavam internadas no Centro de Terapia Intensiva (CTI) da Santa Casa de Misericórdia da capital mineira desde o último dia 16, morreram na ontem vítimas de um choque cardiogênico, informou o hospital. As meninas, que nasceram unidas pelo tórax, tinham apenas 17 dias de vida. A equipe médica que acompanhava as crianças chegou à conclusão de que elas não poderiam ser separadas. Um exame de cateterismo cardíaco revelou que os bebês possuíam dois corações, mas que se desenvolveram juntos e apresentavam atrofias, o que impediu o procedimento cirúrgico para a separação. De acordo com o médico Manoel Firmato de Almeida, chefe da Clínica Pediátrica Cirúrgica da Santa Casa, as crianças apresentavam uma reduzida oxigenação no sistema cardíaco o que poderia levar à insuficiência dos órgãos. ?Os corações eram emendados. A gente estava dando todo o suporte, mas era esperado que houvesse uma falência cardíaca?, a médica Mariza Mendonça Rezende, do CTI Infantil do hospital. As xifópagas nasceram na madrugada do último dia 14, no município de Salinas, a 624 quilômetros da capital mineira, na região Norte do Estado. Elas eram filhas da lavradora Maria Aparecida Pereira da Silva, de 17 anos, que teve parto normal e não realizou o exame de pré-natal. A lavradora reside na comunidade de Tamboril, na zona rural de Frutas do Leite, cidade localizada próxima a Salinas. Familiares das gêmeas foram comunicados do óbito e se deslocariam ainda ontem para a capital mineira para a liberação dos corpos. As crianças deverão ser enterradas amanhã, em Salinas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.