Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Deputado Wladimir Costa agride professor de Sociologia no Pará

Parlamentar do Solidariedade-PA, que ficou famoso pela tatuagem do presidente Michel Temer, foi flagrado dando um tapa em um homem em um evento público

Rita Soares, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2018 | 17h18

BELÉM - O deputado paraense Wladimir Costa (SD), que ficou conhecido por tatuar o nome de Michel Temer em seu corpo, foi filmado agredindo um professor de Sociologia durante evento político no município de Jacundá, a 439 quilômetros da capital, Belém, na noite de quinta-feira, 26. 

RELEMBRE: Deputado Wladimir Costa tatua nome de Temer no ombro

No vídeo que circula nas redes sociais, o deputado federal aparece com bermuda e camiseta regata enquanto discursa na inauguração de uma academia ao ar livre. Irritado com vaias que vinham da plateia, Waldimir Costa partiu para o confronto. “Meu amigo, você fala, fala... Você quer ir falar no (sic) microfone? Toma que eu vou levar o microfone para você”, diz o deputado, caminhando na direção do autor das vaias. “Explica a tatuagem do Temer”, disse o professor Therezo Souza Neto, 49 anos, em resposta.

Nesse momento, o deputado desfere um tapa em Therezo, que ainda tem tempo de desviar o rosto e é atingido no pescoço. Depois, as imagens mostram dois homens segurando o professor enquanto Wladimir Costa retoma o discurso. “Respeita a cara de homem, vagabundo. Homem, para mim, tem que respeitar cara de homem. Homem safado apanha na cara. Se nunca apanhou na cara, apanhou agora. E pode filmar e colocar na rede social”, desafia o deputado.     

+ Solidariedade escolhe deputado da tatuagem para liderar bancada na Câmara

Therezo afirma que após ser agredido pelo deputado, foi jogado no chão e chutado por seguranças do deputado, mas a sequência das imagens não aparece nas redes sociais. O professor contou ao Estado que foi pego de surpresa. “Achei que ele não estava ouvindo (as vaias). Quando veio com o microfone na minha direção, pensei na história da tatuagem”, disse.

Therezo fez exame de corpo de delito, registrou Boletim de Ocorrência na delegacia da cidade e garante que vai processar o deputado por agressão. O professor já foi filiado ao PT e ocupou uma cadeira na Câmara de vereadores de Jacundá entre 2013 e 2016. Hoje, está sem filiação partidária.

O deputado Wladimir Costa ganhou notoriedade após estourar uma bomba de confetes no plenário da Câmara dos Deputados em abril de 2016 e de exibir uma tatuagem com o nome do presidente Michel Temer.

Procurado pela reportagem, mandou avisar que não daria entrevista sobre o assunto, mas em nota afirmou que reagiu  “para compelir a injusta agressão que vinha sofrendo”. Afirma também que “não é obrigado a aceitar agressões verbais com palavras de baixo calão”  O deputado negou que estivesse acompanhado de seguranças.

Em dezembro do ano passado, Wladimir Costa teve o mandato cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TER), acusado de usar recursos de caixa 2 na campanha eleitoral. O deputado recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e poderá continuar no cargo até o julgamento do recurso.

Tudo o que sabemos sobre:
Wladimir Costaagressão física

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.