Adriano Machado / Reuters
Adriano Machado / Reuters

Witzel mente ao negar agora ter dito em entrevista ao 'Estadão' que polícia ia 'mirar na cabecinha'

Governador afastado do Rio fez a afirmação a duas jornalistas no fim de 2018 ao defender uma política de confronto sistemático com os criminosos

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de março de 2021 | 20h38

O governador afastado do Rio, Wilson Witzel (PSC), mentiu ao afirmar em uma entrevista ao portal UOL que nunca disse, em entrevista ao Estadão, que a Polícia do Rio, em seu governo, ia “mirar na cabecinha e...fogo” para combater os criminosos no Estado. Witzel fez essa afirmação a duas jornalistas, no fim de outubro de 2018, ao defender uma política de confronto sistemático com os criminosos. Desde então, há mais de dois anos, jamais contestou o conteúdo do que foi publicado.

 A defesa do abate de criminosos foi feita por Witzel poucos dias depois de ser eleito. Ele foi à sucursal do Rio de Janeiro do Estadão, com a mulher, Helena, e com um assessor de imprensa. Na conversa, em pelo menos doze respostas defendeu sua posição pelo confronto. Witzel foi questionado várias vezes sobre o assunto e manteve suas posições. Também posou para fotografias.

Na entrevista, o governador  sustentou que suspeitos com fuzis deveriam ser sumariamente abatidos. Insistiu na defesa desse procedimento, mesmo quando lhe perguntaram sobre o risco de mortes acidentais. O exemplo citado foi o de pessoas com furadeiras ou guarda-chuvas, que poderiam ser confundidos com armas. Witzel insistiu. Pouco depois, cunhou a frase: “O correto é matar o bandido que está de fuzil. A polícia vai fazer o correto: vai mirar na cabecinha e... fogo! Para não ter erro.”

A entrevista foi divulgada no portal Estadao.com e na edição de 1 de novembro de 2018 no jornal O Estado de S. Paulo. Witzel nunca reclamou, nem pediu correção. Nos meses seguintes à sua posse, adotou o mesmo discurso de defesa incondicional da política de confronto da Polícia com suspeitos e de elogio de ações de policiais nessa linha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.