Adriano Machado / Reuters
Adriano Machado / Reuters

Witzel exonera secretários da Casa Civil e da Fazenda

Saída dos secretários se dá dois dias após o governador do Rio de Janeiro ser alvo de operação da PF

Bianca Gomes, O Estado de S.Paulo

28 de maio de 2020 | 23h06

Dois dias após ser alvo de operação da Polícia Federal, o governador do Rio de JaneiroWilson Witzel, exonerou o secretário da Casa Civil, André Luis Dantas Ferreira, conhecido como André Moura, e o secretário de Fazenda, Luiz Cláudio Rodrigues de Carvalho. A saída foi publicada em edição extra do Diário Oficial do Estado do Rio nesta quinta-feira, 28. 

Presidente estadual do PSC em Sergipe, Moura assumiu a Secretaria da Casa Civil em setembro de 2019. Deputado federal por dois mandatos, foi um dos principais aliados de Eduardo Cunha e atuou como líder do governo de Michel Temer no Congresso. O agora ex-secretário também foi prefeito do município de Pirambu por dois mandatos consecutivos. Nesta quinta, no Twitter, ele elogiou Witzel e escreveu que o governador tem sido "correto" e dado autonomia para seu trabalho na pasta. 

O engenheiro agrônomo Luiz Claudio foi Secretário de Estado da Fazenda de São Paulo e fiscal tributário no Mato Grosso do Sul.

Witzel, que ainda não se manifestou sobre a exoneração dos secretários, nomeou Raul Teixeira e Guilherme Macedo Reis Mercês para a Casa Civil e Fazenda, respectivamente.

Mercês foi economista-chefe da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) e atualmente estava na Subsecretaria de Indústria da Secretaria de Desenvolvimento Econômico. Em sua página do Linkedin, Teixeira diz que foi procurador do Estado e atuava como subsecretário jurídico da Secretaria de Estado da Casa Civil e Governança do Rio.

A troca de dois dos secretários mais importantes de Witzel se dá dois dias depois de o governador e sua esposa, Helena Witzel, terem sido alvos da operação da Polícia Federal que cumpriu mandados de busca e apreensão. A Operação Placebo investiga desvios de recursos durante a pandemia do novo coronavírus

Ministério Público Federal apontou "vínculo bastante estreito e suspeito" entre a primeira-dama do Rio e a empresa DPAD Serviços Diagnósticos Limitada, de Alessandro de Araújo Duarte, apontado na investigação como suposto operador do empresário Mário Peixoto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.