Wilson Santos é reeleito em Cuiabá

Depois de campanha tensa, Santos venceu com 60,59% dos votos válidos

Carol Sanford, O Estadao de S.Paulo

27 de outubro de 2008 | 00h00

Os eleitores de Cuiabá, Mato Grosso, escolheram como prefeito o candidato à reeleição, Wilson Santos (PSDB), com 167.202 votos (60,59% dos votos válidos). O adversário Mauro Mendes (PR) recebeu 108.744 votos (39,41%). Até às 19h30, já tinham sido apuradas 95% das urnas.Dos 368.188 eleitores da capital, 56.637 deixaram de comparecer às urnas, o que representa um total de 19,04% de abstenções. Esse percentual é explicado pelos analistas políticos como um fenômeno normal, já que no segundo turno são apenas dois candidatos para prefeito e não há os candidatos a vereador para "empurrar" os eleitores para a votação.CAMPANHA TENSAOs candidatos Wilson Santos e Mauro Mendes deixaram para comparecer ao local em que as urnas estavam sendo apuradas depois que mais de 50% delas já estavam totalizadas. Ao lado do local, foram instalados telões para que a população acompanhasse a apuração. O clima de torcida se intensificava a cada urna totalizada. Os apoiadores de Santos soltavam fogos de artifício a todo instante.Durante todo o segundo turno, a campanha foi tensa, marcada por trocas de denúncias e acusações entre os dois candidatos.Outro ponto que marcou essa eleição foi a distribuição de panfletos apócrifos por toda a capital contra o prefeito Wilson Santos e seu vice Chico Galindo (PTB). O candidato adversário Mauro Mendes não assumiu a autoria e, inclusive, enviou uma carta de repúdio contra os ataques pessoais que tomaram conta do município.BAIXARIAO presidente do TRE (Tribunal Regional Eleitoral), Leônidas Monteiro, declarou ter ficado bastante frustrado com a baixaria da campanha eleitoral. Para Monteiro, foi uma decepção o fato de virem ministros de Estado para Cuiabá, como o da Educação, Fernando Haddad, e condicionarem a garantia de recursos para o município à vitória do candidato apoiado por eles.O que também foi alvo de críticas do presidente do TRE, foram as inúmeras denúncias de compra de votos.Para Monteiro, o que pode ser comemorado é o fato de que os eleitores estão mais conscientes e denunciam o que acreditam que está errado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.