Weslian vai a debate agarrada a papéis e comete gafes

A candidata do PSC ao Palácio do Buriti, Weslian Roriz, enfim apareceu a um dos debates programados na reta final de campanha para o segundo turno ao governo do Distrito Federal (DF). Ontem, na TV Globo, a ex-primeira dama do DF travou duelo à frente das câmeras com Agnelo Queiroz (PT), que lidera as pesquisas de intenção de voto com 28 pontos de vantagem, segundo a última pesquisa Ibope. Ainda enfrentando dificuldades, agarrando-se a papéis e cometendo gafes, Weslian exaltou a gestão do marido, Joaquim Roriz, e questionou as alianças do adversário.

RAFAEL MORAES MOURA, Agência Estado

29 de outubro de 2010 | 08h37

Quando o tema sorteado foi "corrupção", a candidata indagou Agnelo sobre a sua chapa, que reúne deputados acusados de envolvimento no "mensalão do DEM". O petista respondeu que seus aliados são "ficha limpa" e voltou a defender o vice na coligação, Tadeu Filippelli (PMDB), ex-aliado de Joaquim Roriz.

No bloco seguinte, o petista questionou Weslian sobre depoimentos exibidos pelo programa do PSC, em que pessoas o acusam de envolvimento em desvios de recursos durante sua passagem pelo Ministério do Esporte. "Doutor Agnelo, quero ser franca com o senhor, as verdades que são ditas, não fica escondida de ninguém, se aconteceu e mostrou, é porque existe, ninguém vai pra TV contar o que não existe", afirmou a ex-primeira dama.

Agnelo rebateu o comentário, dizendo que as denúncias são "mentirosas, sórdidas", feitas por pessoas com "ficha policial". "A coisa melhor que tem é a gente não ter nada o que acusar... a gente, é lógico", devolveu Weslian, na tréplica. Em outro momento, ela cometeu gafes, como chamar o petista de "nosso candidato" e "governador".

Weslian também usou o tempo para defender a gestão de seu marido à frente do Palácio do Buriti. "No governo de Joaquim, fizemos programas, pretendo investir mais nesses projetos", disse, ao comentar iniciativas de segurança pública. Ao falar de transporte público, afirmou: "Meu marido construiu o metrô, meu marido fez muita coisa boa nesse governo. Fique seguro que eu sei como é que as pessoas andam na cidade." Weslian também prometeu trabalhar para que a saúde no DF volte a ser "primeiro mundo, que nem no governo do meu marido".

O petista disse que vai assumir a Secretaria de Saúde e criticou uma das principais vitrines de campanha da adversária, a Cidade da Saúde, que funcionaria como um complexo hospitalar de atendimento à população. "A população precisa saúde em todas as cidades, e não da Cidade da Saúde", alfinetou.

Weslian foi catapultada à disputa ao governo do Distrito Federal nove dias antes do primeiro turno. Virou cabeça de chapa após o impasse no Supremo Tribunal Federal (STF) quanto à vigência da Lei da Ficha Limpa, que barrou Joaquim Roriz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.