Weslian Roriz cancela ida ao debate da Bandeirantes no DF

Candidata do PSC diz que a campanha está se desenvolvendo 'num clima de insegurança jurídica, mentiras e sistemática campanha difamatória contra Joaquim Roriz'

Carol Pires e Rafael Moraes Moura

14 de outubro de 2010 | 19h12

A candidata ao governo do Distrito Federal, Weslian Roriz (PSC), cancelou no final da tarde desta quinta-feira, 14, sua participação no debate da Rede Bandeirantes, sob alegação de que a campanha local está se desenvolvendo “num clima de insegurança jurídica, de mentiras e de uma sistemática campanha difamatória contra Joaquim Roriz e seu grupo político”. Weslian disputa o segundo turno das eleições contra o petista Agnelo Queiroz. Sem Weslian, a Band fará uma sabatina com Agnelo Queiroz no horário destinado ao debate.

 

“A rapidez de todo esse processo político, as agressões gratuitas dos adversários e de parcela da imprensa, o reduzido tempo de preparo para um evento desse tipo, me impõem a declinar o honroso convite desta emissora para participar do debate nesta noite”, afirma Weslian, em carta ao diretor da sucursal da Band em Brasília.

 

A esposa do ex-governador passou a ser candidata apenas uma semana antes da eleição no primeiro turno, quando o marido, barrado pela lei da Ficha Limpa, desistiu da candidatura. Ela chegou a participar de dois debates no primeiro turno, e chegou a ser um dos assuntos mais comentados do Twitter por causa de seus erros e confusões.

 

Denúncia. Reportagem publicada nesta quinta-feira pelo jornal “Correio Braziliense”, um contador investigado pela Operação Shaolin recebeu oferta de R$ 200 mil para fazer um falso testemunho que incriminasse Agnelo Queiroz. A campanha do então candidato Joaquim Roriz (PSC) estaria por trás da negociação, cujo objetivo era gravar um depoimento em que o contador diria ter visto o petista com “dinheiro nas mãos”.

 

Na tarde desta quinta-feira, 14, Agnelo Queiroz pediu ontem ao ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, para a Polícia Federal investigar as denúncias de crime eleitoral contra a sua candidatura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.