Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Weintraub provoca deputados na Câmara: ‘Conhecem carteira assinada?’

Ministro vai ao Congresso explicar cortes na Educação; parlamentares pedem demissão do titular da pasta

Ligia Formenti, O Estado de S.Paulo

15 de maio de 2019 | 17h42

BRASÍLIA –  O ministro da Educação, Abraham Weintraub, partiu para o ataque na tarde desta quarta-feira, 15, durante audiência na Câmara para explicar os cortes na Educação. Ao defender o uso de recursos recuperados de corrupção na área, afirmou ter a ficha limpa, não ter passagem pela polícia e ter sua carteira assinada. Em seguida, de forma irônica, provocou os deputados: “Fui bancário. Carteira assinada. Viu, azulzinha, não sei se vocês conhecem”, afirmou, provocando vaias de parte dos parlamentares que assistia a audiência. Um coro se formou, com deputados gritando “Demissão” - Capitais têm manifestações contra cortes na educação; acompanhe aqui).

Weintraub foi convocado por parlamentares para explicar o contingenciamento na área da educação. Numa exposição de 30 minutos, uma versão revista da que ele expôs no Senado há alguns dias, o ministro defendeu a prioridade para creches e educação básica, irritando os parlamentares, por não falar diretamente sobre o contingenciamento determinado pelo governo. 

Diante as primeiras críticas ouvidas dos deputados Paulo Pimenta e Orlando Silva, Weintraub não ficou na defensiva e adotou um discurso também agressivo. Citou a ex-presidente Dilma Rousseff, numa referência a manobras nas contas que levaram ao pedido de impeachment. Mais tarde, a líder da minoria na Câmara, Jandira Feghalli (PCdoB-RJ), questionou, dentre outros temas, se o ministro havia dito e se mantinha a fala de que “comunistas mereciam uma bala na cabeça”.

“Eu sou comunista e estou aqui, ministro”, disse Feghalli que no discurso, pediu a demissão. E ele, mais uma vez, Weintraub aumentou o tom. “Não tenho passagem pela polícia por ameaça, agressão. Não tenho processo trabalhista. Minha ficha é limpíssima, não tenho mácula. Tiveram que voltar 30 anos na minha vida para obter um boletim ruim porque eu tinha arrebentado o meu braço, obtido de forma ilegal”, disse. “Outra coisa, bala na cabeça, quem prega, não é esse lado aqui.” 

Diante dos gritos ele elevou o tom para falar sobre o ex-presidente Lula que, ressaltou “hoje está preso.” O ministro afirmou que uma colega teria sido demitida por influência do ex-presidente, que teria pedido o cargo da funcionária à presidência do banco Santander, depois de ela fazer críticas ao ex-presidente. “O amigo do banqueiro e o Lula que pediu a cabeça da colega de profissão. Foi o Lula que humilhou e falou que era para o banco pagar o bônus para ele.” Minutos depois, mais calmo, ele disse estar “aberto ao diálogo.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.