Waldomiro e Cachoeira conversaram 248 vezes pelo telefone

O relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Loteria do Rio de Janeiro (Loterj) na Assembléia Legislativa fluminense revela que Waldomiro Diniz e o empresário de jogos Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cahoeira, conversaram 248 vezes por telefone de fevereiro de 2001 a março de 2004. Pelo menos 100 ligações teriam ocorrido durante o período em que Diniz ocupou a subchefia de Assuntos Parlamentares da Casa Civil da Presidência da República, a partir de janeiro de 2003. O registro e a duração das ligações foi obtido pelos deputados com a quebra do sigilo telefônico dos acusados ? Cachoeira telefonou 209 vezes para Waldomiro, que retornou 39 ligações, de acordo com a investigação. O presidente da CPI, deputado Alessandro Calazans (PV), defendeu que seja feito à Justiça o pedido de prisão de acusados no relatório final, que deverá ser votado na próxima semana. Ele não citou nomes, porque a decisão ainda será discutida pelos nove integrantes da comissão. ?Ele (Diniz) fazia a ponte-aérea Rio?Brasília. Tudo o que fez aqui (no Rio), estaria desenvolvendo lá, mas isso não nos compete investigar. Investigamos a relação entre Waldomiro e Cachoeira, e constatamos que era uma relação forte, bem próxima. Nem com a minha mulher eu falo com tanta freqüência como eles se falaram. Existia aqui, e continuou a existir lá (em Brasília). Um procurava o outro com insistência?, afirmou o deputado Luiz Paulo Corrêa da Rocha (PSDB), um dos relatores da CPI.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.