Waldomiro Diniz se recusa a prestar depoimento

O ex-subchefe de Assuntos Parlamentares da Casa Civil, Waldomiro Diniz, se recusou a prestar depoimento na Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco) usando a prerrogativa constitucional que lhe dá o direito de só falar em juízo.Waldomiro chegou na delegacia às 11h desta quarta-feira, meia hora depois do horário marcado. Ele ficou meia hora na sala do delegado Milton Olivier, que investiga supostas irregularidades durante sua gestão como presidente da Loteria Estadual do Rio (Loterj - 2001 e 2002). Entrou e saiu rapidamente, sem dizer uma palavra aos jornalistas.O inquérito na Draco foi instaurado logo após a divulgação de uma fita de vídeo em que Waldomiro aparece pedindo propina e contribuição irregular para campanhas eleitorais ao empresário do jogo Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira. A gravação é de 2002, quando presidia a Loterj, mas veio à tona no início do governo Lula.O depoimento de Cachoeira também estava marcado para esta quarta-feira, mas ele não compareceu. Seu advogado, Jeovah Borges Júnior, disse que protocolará um pedido para que ele seja ouvido através de carta precatória (instrumento legal para produzir provas e colher depoimento em outros estados). Cachoeira mora em Anápolis (GO).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.