Waldomiro confirma repasse de R$ 100 mil a Magela

O ex-subchefe de Assuntos Parlamentares da Casa Civil, Waldomiro Diniz, negou em seu depoimento na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) ter sido "caixa de campanha", intermediador e nem "delegado" para organizar campanhas políticas e obter recursos financeiros. Ele admitiu, porém, ter recebido R$ 100 mil e repassado para a campanha de Geraldo Magela (PT), então candidato a governador do Distrito Federal em 2002. Diniz disse que em nenhum momento solicitou recursos ao empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, e que foi o próprio Cachoeira quem ofereceu dinheiro para as campanhas de Rosinha Matheus (hoje no PMDB) e Benedita da Silva (PT), à época candidata à reeleição. "Não tinha delegação nem de uma nem de outra para negociar", tentou esclarecer.Diniz afirmou ainda, que até onde ele próprio sabe, Carlinhos Cachoeira não contribuiu com "nenhum centavo" para as campanhas de Rosinha e Benedita. Indicação de GarotinhoWaldomiro Diniz, que também foi presidente da Loterj, afirmou que quem o indicou para o cargo foi o então governador Anthony Garotinho. Ele disse que foi convidado pessoalmente por Garotinho quando trabalhava no escritório de representação do governo do Estado do Rio em Brasília. Diniz disse que recusou o cargo em um primeiro momento mas depois de muita insistência de Garotinho, nos meses seguintes, é que acabou aceitando, motivado pela finalidade institucional da autarquia. Diniz disse que foi apresentado a Garotinho por Cristovam Buarque, que na época havia perdido as eleições para o governo do Distrito Federal. "Eu era assessor parlamentar de Cristovam Buarque e fiquei desempregado por cerca de três meses depois da derrota dele nas urnas, foi então que Garotinho pediu a ele uma pessoa de confiança para trabalhar na representação do Rio em Brasília", disse. Sobre a indicação de Diniz para a Casa Civil, onde atuou ex-subsecretário de Assuntos Parlamentares, não houve questionamento, já que a CPI está se atendo ao seu período como presidente da Loterj.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.