Waldomiro atuou no governo a favor da GTech, diz sindicância

Sindicância realizada por ordem do ministro-chefe de Coordenação Política do Palácio do Planalto, Aldo Rebelo, apurou que o ex-subchefe de Assuntos Parlamentares da Casa Civil Waldomiro Diniz cometeu atos de improbidade administrativa e faltou com a ética no exercício do cargo. Conforme apurou a comissão de sindicância, criada em 19 de fevereiro, Waldomiro manteve encontros indevidos para intermediar o contrato de operação de loterias da Caixa em favor da multinacional norte-americana GTech. O relatório da comissão, divulgadao hoje à tarde por Rebelo, aponta, também, a servidora da Casa Civil Ana Cristina Moraes Moreira Sena, ex-auxiliar de Waldomiro, como conivente com as irregularidades. Segundo a comissão, Waldomiro participou de, pelo menos, três reuniões com a direção da GTech, entre fevereiro e abril de 2003, período em que era negociada a renovação do contrato da GTech com a Caixa, no valor de R$ 650 milhões. Ainda segundo a comissão, o ex-assessor do ministro da Casa Civil, José Dirceu, não deu ciência dessa participação a seus superiores. Ele é também acusado de ter utilizado servidor público em atividades particulares e de ter praticado outros atos de improbidade administrativa. Rebelo anunciou que o relatório da comissão de sindicância será encaminhado ao Ministério Público Federal e à Polícia Federal, à Controladoria Geral da União e ao Congresso para tomarem as providências legais cabíveis.

Agencia Estado,

23 de março de 2004 | 17h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.