Waldir Pires quer impedir servidor de trabalhar no setor privado

O ministro-chefe da Controladoria Geral da União (CGU) Waldir Pires vai sugerir à Presidência da República mudanças nas regras de licenciamento de servidores públicos, que impeçam que estes funcionários trabalhem para o setor privado, usando o período de licença. Segundo ele, atualmente, vários setores do governo enfrentam o problema do chamado "servidor anfíbio", pessoa que pede uma licença por motivos pessoais, por determinado período de tempo, e usa este prazo para trabalhar no setor privado em função correlata à que ocupa no governo."São anfíbios, porque atuam em dois setores ao mesmo tempo. Por exemplo, pessoas que atuam em setores como o de Arrecadação, e de Receita Federal, pedem licença de um ano por interesse particular, e usam este período para trabalhar em um escritório de advocacia do setor tributário. Isso não é legítimo, para mim", afirmou. Para o ministro, tem de ficar claro, por Lei, que o funcionário não pode voltar ao serviço público, se realmente executou função correlata no setor privado. Ele informou ainda que estas modificações poderão ser enviadas, para apreciação da Presidência da República, juntamente com a sugestão de mudanças nas regras de quarentena à ex-ocupantes de cargo no Poder Executivo. Ele participou do "Fórum Sobre a Implementação de Políticas sobre Conflito de Interesses no Serviço Público", hoje no BNDES, no Rio de Janeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.