Wagner Rossi diz que conheceu Joesley quando foi ministro e prestou serviços a JBS

Rossi foi ministro da Agricultura entre abril de 2010 e agosto de 2011

Gustavo Porto, de Ribeirão Preto (SP), O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2017 | 18h39

O ex-ministro da Agricultura Wagner Rossi admitiu nesta sexta-feira ter conhecido o empresário Joesley Batista, do grupo J&F, controlador da JBS, durante o período em que foi ministro da Agricultura, entre abril de 2010 e agosto de 2011, e que prestou "colaboração remunerada" à companhia após deixar o cargo e passar pelo período de quarentena.

"Logo após deixar o ministério, Joesley me procurou e ofereceu para que eu fosse trabalhar com ele. Nessa oportunidade, agradeci o convite e declinei, pois estava cumprindo quarentena", disse. "Depois do prazo legal, prestei colaboração remunerada a uma das empresas do Grupo JBS", completou Rossi em um comunicado.

Na delação premiada prestada por Joesley, o empresário informou que Rossi recebeu um pagamento de "um mensalinho" de R$ 100 mil mensais por um tempo após deixar o cargo, a pedido de Temer. Rossi não respondeu diretamente a indagação feita por e-mail sobre o assunto e nem informou se a "colaboração remunerada" à JBS seria por esse valor.

No comunicado, Rossi se referiu a Joesley como "um grande empresário do setor, de trato cordial" e admitiu que ele demonstrou interesse em conhecer Michel Temer, o então presidente do PMDB. "Não vi problema nisso", afirmou. O ex-ministro relatou ainda: "O texto da delação não diz que eu tenha participado de reunião para tratar de qualquer ilícito." "Encerrei minha atividade pública e estou aposentado há quase seis anos", conclui.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.