Zô Guimarães/Alerj/Divulgação
Zô Guimarães/Alerj/Divulgação

Wagner Montes manda apurar incidentes sobre fechamento de galerias na Alerj

O deputado que vai assumir presidência da Alerj, após licença de Jorge Picciani, pede investigação sobre ocorridos e confusão durante sessão

WIlson Tosta, Rio

19 Novembro 2017 | 19h58

O 1º vice-presidente da Assembleia Legislativa do Rio, deputado Wagner Montes (PRB), anunciou neste domingo, 19, ter determinado a investigação de incidentes que envolveram a abertura das galerias da Casa na votação da última sexta-feira, 17.Na sessão, os deputados discutiam a prisão e a suspensão do mandato de três parlamentares: o presidente da Casa, Jorge Picciani, o ex-presidente Paulo Melo e o líder do Governo, Edson Albertassi.

A decisão de prender e suspender os deputados fora tomada pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) na Operação Cadeia Velha da Polícia Federal e do Ministério Público Federal. Mas o Legislativo revogou a prisão dos políticos. A ação investiga corrupção e outros crimes, que teriam sido cometidos a partir da Alerj.

Montes afirmou em nota ter sido voto vencido na reunião da Mesa Diretora que decidiu fechar a galeria. Veio então a ordem do desembargador Maldonado de Carvalho, para abertura da assistência. Mas os lugares foram ocupados por assessores. Uma oficial de Justiça teve grande dificuldade para entrar no Palácio Tiradentes. Foi barrada por seguranças e policiais. O deputado Flavio Serafini (PSOL) se envolveu em um empurra-empurra com agentes por causa disso.

++ MP-RJ entra com ação para anular sessão que libertou Picciani

“Quando fui comunicado da presença de oficial de justiça, imediatamente ordenei sua entrada, conforme foi gravado e televisionado pela TVALERJ”, afirmou Montes na nota. “A liminar (...) foi a única (...) que me foi comunicada pela Procuradoria-Geral durante a votação.  Imediatamente, determinei a abertura das galerias, sempre observando os limites de lotação.”

Montes afirmou ter convocado a Mesa para apurar o ocorrido. “Se necessário será instaurada uma sindicância”, informou na nota. Montes deverá assumir a presidência da Alerj a partir da terça, 21. Nessa data, começará a licença de Picciani, que vai até o fim de janeiro de 2018.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.