?Vou arcar com as conseqüências?, afirma Lula sobre jornalista

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva estava tranqüilo hoje de manhã no encontro, do qual participaram também o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, e o da Coordenação Política, Aldo Rebelo, e firme na sua decisão de suspender o visto do repórter do New York Times, Larry Rohter, de acordo com relato de participantes do encontro. "Ele estava muito firme", disse um dos participantes da reunião. O presidente mostrou que estava muito indignado, principalmente por tocar em questões de sua família. Segundo um dos presentes ao encontro, Lula disse não se importar que critiquem o seu governo, mas não aceita que falem de sua família ou de sua honra. "Não sou nenhum alcoólatra, todos sabem que bebo prazerosamente, bebo e fumo, mas ninguém pode dizer que tomei uma decisão de governo porque bebi ou não bebi", teria dito o presidente. "Foi um desabafo grande", disse o interlocutor. Embora aceite rever sua decisão caso o jornal ou o repórter peçam retratação da reportagem publicada, Lula disse estar disposto a bancar sua decisão."Vou arcar com as conseqüências", disse, argumentando que havia muito preconceito no tratamento dado pelo jornal. Na única vez que falou, Dirceu apoiou o presidente e com um exemplar do NYT nas mãos mostrava nota em que seus editores ratificavam as informações de Rohter. "Olha aqui, eles estão ratificando a posição", teria dito Dirceu. Ontem, os ministros do Palácio do Planalto esperavam que houvesse uma iniciativa do jornal de fazer a retratação, mas isso não aconteceu. Os líderes da oposição - que não chegaram a comparecer ao encontro como se pretendia ontem - só admitiam a possibilidade de comparecer hoje ao Palácio do Planalto caso o presidente Lula acenasse ainda ontem com a possibilidade de um recuo. Ao serem informados de que não havia nenhuma combinação neste sentido com o presidente, eles preferiram não comparecer ao encontro. O presidente do Senado, José Sarney, chegou a receber a delegação para levar a Lula a solidariedade dos oposicionistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.