Votação de relatório de Saturnino deve ser adiada

O presidente do Conselho de Ética do Senado, Ramez Tebet (PMDB-MS), e o relator do processo sobre a violação do voto secreto dos senadores por ocasião da cassação do ex-senador Luiz Estevão, Saturnino Braga (PSB-RJ), já iniciaram a sessão na qual será feita a leitura do relatório. O senador Waldeck Ornéllas já antecipou que pedirá vista para examinar mais detalhadamente o processo. Ele disse que o parecer do relator precisa especificar como o suposto delito dos senadores Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) e José Roberto Arruda (sem partido-DF), se enquadra no código de ética do Senado.Com esse pedido, a votação do relatório só deve ocorrer na semana que vem. Waldeck Ornéllas disse, no entanto, que o prazo não favorece, necessariamente, ACM. "O mesmo tempo que corre a favor, também pode correr contra", afirmou. Ele disse ainda que não há o que discutir em relação à possibilidade da votação do parecer de Saturnino Braga ser aberta. De acordo com Ornellas, isso independe da vontade dos senadores, uma vez que a Constituição estabelece que o princípio de votação secreta vale tanto para as votações no plenário quanto nas comissões. Ou seja, se a votação do processo de cassação é secreta no plenário, também tem que ser secreta nas comissões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.