Votação de reformas na CCJ deve atrasar, diz Greenhalgh

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), deputado Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP), admitiu que a votação das propostas de reformas tributária e previdenciária poderá exigir mais tempo do que o previsto. Inicialmente, a previsão era a de conclusão da votação das duas propostas até 29 de maio, mas como Greenhalgh prevê muitos pedidos de destaques para votação em separado, cada votação se alongará por mais de uma sessão da CCJ. O deputado disse esperar que a proposta de reforma tributária seja votada na última semana de maio, e a previdenciária na primeira semana de junho. Greenhalgh reservou os dias 3, 4 e 5 de junho para a votação da reforma previdenciária. Uma sessão da CCJ estava convocada para hoje, mas, por enquanto, há apenas 13 deputados na sala, e são necessários 29 para que seja aberta a reunião. "Todo presidente de comissão ou da Câmara que insistiu em convocar sessão às segundas-feiras deu com a cabeça no poste", disse. Explicou que convocou sessão da CCJ porque, inicialmente, estava prevista para esta segunda-feira uma sessão plenária da Câmara, e, com isso, haveria mais deputados na Casa. Mas, como a plenária da Câmara foi suspensa, dificilmente haverá quórum na CCJ. A sessão de hoje da comissão seria para tratar do calendário e da realização de audiências públicas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.