Votação de parte da reforma tributária deve ser definida na 3°F, diz Aécio

O presidente da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), disse nesta tarde de quinta-feira, ao chegar à Casa, os deputados estão dispostos a acelerar a votação de parte da Reforma Tributária no que se refere ao projeto que trata do fim da cumulatividade do PIS. Ele disse que haverá uma reunião na próxima terça-feira, com os líderes partidários, para tratar do encaminhamento dasvotações.Aécio também informou que não foi comunicado pelo presidente Fernando Henrique Cardoso sobre o envio de uma espécie de minipacote fiscal a fim de conter a crise no mercado financeiro. "Não existe nada de oficial. Não fui comunicado pelo presidente sobre propostas emergenciais". Segundo a edição de hoje do Estado, o governo estuda a adoção de uma meta de superávit primário mais dilatada, de 3,75% para 4% do PIB e um minipacote de reforma tributária. Aécio informou hoje, no entanto, que não foi comunicado pelo presidente Fernando Henrique Cardoso sobre o envio de uma espécie de minipacote fiscal a fim de conter a crise no mercado financeiro. "Não existe nada de oficial. Não fui comunicado pelo presidente sobre propostas emergenciais". Nesta terça-feira, o presidente da Comissão Mista de Orçamento e Gestão, deputado José Carlos Aleluia (PFL-BA), adiantou-se e disse que o Congresso "tem o dever de aprovar" o minipacote, ainda em estudo, e que pode ser enviado pelo Governo. Sobre a possibilidade de a alíquota do Imposto de Renda da Pessoa Física ser mantida num porcentual alto, Aleluia respondeu: "Melhor manter imposto do que deixar a economia descontrolada, porque o cidadão tem medo de uma economia descontrolada". Aleluia não se limitou a falar sobre o estudo do governo para diminuir o nervosismo nos mercados de capitais. Para o deputado, o Congresso brasileiro deveria pedir que o Congresso norte-americano interpelasse oficialmente o secretário do Tesouro dosEstados Unidos, Paul O´Neill. Segundo o deputado, O´Neill deve apontar nomes e bancos envolvidos em suposto desvio de recursos no Brasil. Aleluia afirmou ainda que as declarações de O´Neill provocaram "estrago" na economia nacional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.