Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

‘Você pode até tirar de cena o velho Renan, mas não o mata’, diz senador

Parlamentar alagoano vai encarnar, após derrota na queda de braço com o Palácio do Planalto, a figura de líder da oposição ao governo de Jair Bolsonaro

Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

03 Fevereiro 2019 | 05h00

BRASÍLIA - Derrotado na queda de braço com o Palácio do Planalto, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) encarnará, a partir de agora, a figura de líder da oposição ao governo de Jair Bolsonaro.

“Você pode até tirar de cena o velho Renan, mas não matá-lo”, disse ao Estado o senador, que construiu um personagem para justificar o seu discurso “mais liberal” e passou a se referir a ele mesmo na terceira pessoa.

Tudo o que o Palácio do Planalto não precisava, nesse momento, era de um inimigo de plantão no Congresso, mas, certamente, o terá. Rachado, o MDB de Renan – partido mais assíduo na ocupação de cargos no governo, desde a redemocratização – também perde agora sua última trincheira de poder.

Renan contava com o apoio de parte do PSDB, mas, na última hora, viu seus aliados serem pressionados a abrir o voto. Ficou desnorteado. Antes, dizia que teria quatro dos oito votos tucanos.

A pressão das redes sociais, porém, foi fundamental para que os senadores fossem à tribuna e mostrassem as cédulas de votação. Pesou nas redes o movimento “Renan não”.

Camaleão e hábil negociador, Renan tentou até o fim vestir o figurino de um novo político, mas as investigações da Lava Jato falaram mais alto. “Política não é para se estudar. É para se compreender. E vamos em frente”, diz ele, quando questionado sobre seus movimentos nessa arena. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.