Viúvas dos mortos da P36 querem R$ 500 mi da Petrobrás

A Petrobrás informou, por meio de nota, que o pleito de R$ 500 milhões de indenização em ações judiciais movidas pelos familiares das 11 vítimas do acidente da plataforma P-36 "não é devido". O argumento da companhia é que "segundo os relatórios da Comissão de Sindicância que avaliou o acidente, não houve ação voluntária, omissão, negligência ou imprudência de parte da empresa que tenha provocado o acidente". O valor foi anunciado hoje no Rio pelas viúvas dos 11 petroleiros. Ele seria dividido entre elas e foi estabelecido tendo como base multas que a empresa recebeu da Justiça por danos ambientais causados à Baía de Guanabara.A empresa garantiu, na mesma nota, que "vem cumprindo com todos os seus compromissos para com os dependentes das vítimas do acidente com a P-36, que considera heróis". Segundo a empresa, as viúvas tiveram pagamento de pecúlio equivalente a 30 salários básicos e estão recebendo pensão mensal do Plano de Previdência Complementar da companhia, além de benefícios como plano de saúde e custeio integral das mensalidades escolares para os filhos, da pré-escola à universidade, até a idade de 24 anos. A Petrobras informou ainda que está se responsabilizando integralmente pelas despesas com tratamento psicoterápico, pelo período de dois anos, e proporcionando assistência social permanente às famílias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.