Viúva de Toninho do PT quer pedir a Lula reabertura do caso

Viúva de um dos principais políticos do Partido dos Trabalhadores, o ex-prefeito de Campinas Toninho do PT, a psicanalista Roseana Garcia disse hoje que tenta desde dezembro, sem sucesso, falar com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre o assassinato de seu marido, ocorrido em 10 de setembro de 2001. Roseana quer as investigações sejam reabertas e conduzidas pela Polícia Federal já que tem suspeitas sobre a motivação real do crime. Segundo a viúva, "o inquérito policial sobre o assassinato é permeado de falhas". "No mínimo, há incompetência da polícia e, no máximo, má fé", disse. Se conseguir uma audiência com Lula, ela pretende entregar um abaixo assinado que teve a adesão de 53 mil moradores de Campinas no qual é pedida a reabertura do inquérito para apurar a morte do ex-prefeito. Em depoimento aos integrantes da Comissão Nacional de Direitos Humanos da OAB, a viúva de Toninho afirmou que o marido, que era urbanista, lutou contra a corrupção e a especulação imobiliária em Campinas, fez denúncias na CPI do Narcotráfico e moveu ações contra empreiteiras. Ela discorda das conclusões da Polícia que, em um primeiro momento, anunciou que se tratava de uma tentativa de assalto e, posteriormente, disse que o prefeito morreu porque teria atrapalhado a fuga de uma quadrilha de seqüestradores. "Essa é uma hipótese absurda", afirmou Roseana. A psicanalista contou que em fevereiro esteve com o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, que prometeu levar o caso ao presidente Lula. No entanto, ela disse que até agora não teve resposta. A viúva também contou que procurou o governo de São Paulo, porém, não obteve ajuda. "Não tive resposta do poder público", afirmou Roseana. Os integrantes da comissão da OAB afirmaram que vão analisar o caso e ofereceram proteção à viúva que relatou ter sofrido ameaças ao longo dos últimos três anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.