Vitória de Chinaglia representa volta de Dirceu, diz Jungmann

O deputado federal Raul Jungmann (PPS-PE) criticou duramente a candidatura do deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP) à Presidência da Câmara, dizendo representar a volta de José Dirceu ao Congresso Nacional. Dirceu foi ministro-chefe da Casa Civil e teve seu mandato como deputado cassado por envolvimento no esquema do mensalão, pagamento de uma suposta mesada a parlamentares para votarem a favor de projetos do governo. "(A candidatura de) Chinaglia é resultado de uma aliança entre José Dirceu e Marta Suplicy (ex-prefeita de São Paulo) e representa o retorno de mensaleiros e sanguessugas", disse, ressaltando ainda que a vitória da candidatura petista significaria "colocar na cadeira da Presidência da Câmara o senhor José Dirceu e dar anistia a quem foi condenado".Aproveitando a reunião realizada no Hotel Crowne Plaza, em São Paulo, do grupo independente de deputados que tenta lançar uma terceira via para presidir a Câmara Federal, Jungmann reforçou seu discurso anti-Chinaglia mandando uma mensagem de advertência para o ministro das Relações Institucionais, Tarso Genro."Se o Chinaglia chegar ao poder, Tarso, você não vai comandar nada. Porque o instrumento de poder do PT fica com o senhor José Dirceu e volta o lado negro da força a comandar tudo". Para Jungmann, uma eventual vitória de Chinaglia representaria uma "derrota pessoal" do ministro Genro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.