Vítima da Operação Condor fala pela 1ª vez a movimento de direitos humanos

Carlos Claret foi perseguido pela polícia que oprimia opositores da ditadura militar na América do Sul

Lucas Azevedo, O Estado de S. Paulo

10 de dezembro de 2012 | 13h40

PORTO ALEGRE - O Movimento de Justiça e Direitos Humanos (MJDH)vai ouvir pela primeira vez nesta segunda-feira, 10, o cidadão argentino Carlos Alfredo Claret, vítima da Operação Condor, desencadeada nos anos 60 para coordenar a repressão aos opositores das ditaduras militares nos países do Cone Sul - Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai e Uruguai. Claret falará sobre o acontecido em Passo Fundo, no interior do Rio Grande do Sul, no dia 12/09/1978, quando foi salvo por ação direta do MJHD.

Natural de Entre Rios, na Argentina, Carlos Claret conseguiu escapar para o Rio Grande do Sul onde viveu na clandestinidade, fugindo da repressão. No começo de 1977 obteve Carteira de Trabalho e foi admitido na empresa Menegaz S.A, em Passo Fundo, onde exerceu a função de Gerente de Produtos. Ele foi preso em setembro de 1978, numa operação ostensiva com participação da polícia política da época.

Após a prisão, Carlos Claret foi levado para o quartel do 3º Esquadrão do 5º Regimento de Cavalaria Mecanizado, sediado em Passo Fundo. Depois foi encapuzado, algemado e colocado no banco traseiro de um carro, para ser transportado por agentes da Polícia Federal para Porto Alegre. Na Superintendência da Policia Federal em Porto Alegre, foi torturado e interrogado por agentes brasileiros e argentinos.

Ainda em setembro do mesmo ano, o então representante no Brasil do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), Guy Prim, conheceu Claret e avaliou que o argentino foi vítima de um caso de repressão política. Claret ganhou o status de "refugiado político". Claret saiu do Brasil na condição de "deportado" e atualmente vive na Suécia como refugiado.

O caso com Carlos Claret ocorreu dois meses depois que um casal de uruguaios e seus dois filhos foram perseguidos no Rio Grande do Sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.