Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Vital do Rêgo emprega funcionária fantasma em gabinete

Maria Eduarda, 20, a coautora do hit "Ai, Se Eu te Pego", cantado por Michel Teló, é contratada como funcionária do gabinete em Brasília do senador e presidente da CPI do Cachoeira Vital do Rêgo (PMDB-PB). Segundo reportagem da Folha de S.Paulo, Eduarda foi contratada em fevereiro de 2011 como assistente parlamentar pelo pai, o jornalista Adelson Barbosa, para realizar trabalhos que ele e outros dois jornalistas deveriam executar: publicar reportagens favorável ao senador na imprensa local. Segundo Barbosa, a o próprio senador teria feito a sugestão de contratação. Vital do Rêgo negou as denúncias e disse não saber quem é Eduarda. Sobre as demais nomeações, o senador disse que não há influência política.

estadão.com.br,

22 de maio de 2012 | 10h33

Barbosa trabalha no "Correio da Paraíba" e afirmou que o senador não poderia nomear três pessoas ao convidar ele e mais dois jornalistas para o trabalho. “Ele sugeriu colocar uma pessoa e a gente divide o valor”, explicou. “Poderia ser no meu nome, ou no de um dos outros dois. Só que eu não podia, porque o Senado exigia não ter outro vínculo (de trabalho). Minha filha é estudante e sugeri que fosse no nome dela."

Além de Eduarda, que recebe salário de R$ 3.450 e é dispensada de comprovar presença, o senador emprega em seu gabinete da ilha do ex-governador peemedebista José Maranhão, a mãe do deputado federal Hugo Motta (PMDB-PB), uma prima do ex-senador Ney Suassuna e uma cunhada de seu primeiro-suplente, Raimundo Lira, com salários que variam de R$ 2 mil a R$ 12,8 mil. O senador emprega ainda a mulher de Carlos Magno, coordenador de comunicação de sua campanha em 2010.

Tudo o que sabemos sobre:
Vital do RêgoCachoeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.