Visita de Bush põe em xeque plano Sul-Sul

Os Estados Unidos decidiram despertar o governo Lula de seu imobilismo nas relações bilaterais. O gesto mais importante dessa iniciativa será dia 8, quando o próprio presidente George W. Bush desembarca em São Paulo para assinar, com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, um acordo de cooperação na área de biocombustíveis que será o embrião de uma parceria estratégica no setor da energia renovável. O resultado desse esforço ultrapassa o aspecto comercial. Deve exigir do Brasil a distensão da política externa concentrada nos países em desenvolvimento - linha mestra do chanceler Celso Amorim - e a diversificação da agenda com Washington. A habilidade dos EUA em enlaçar o Brasil alcançou o próprio Lula, ao priorizar os biocombustíveis, tema de seu maior interesse. Nos últimos anos, o presidente falou dos benefícios do biodiesel a todo chefe de Estado que o visitou e em todas as suas viagens, enquanto seus ministros tentavam acordos com o Japão e a Coréia do Sul. Na avaliação de uma fonte graduada do Itamaraty, essa parceria revela o interesse mútuo na cooperação no setor e na mudança da matriz energética mundial. Reforça ainda a avaliação de que os EUA não querem mais concentrar alianças apenas com a Europa e buscam aprofundar as relações com o Brasil. Para a fonte, a cooperação em biocombustíveis não significará posicionamento do Brasil contra a Venezuela de Hugo Chávez. O governo Lula tende a manter neutralidade: priorizará tanto o acordo com Bush como o acerto sobre gás natural e petróleo com Chávez e não se envolverá nos conflitos entre ambos. Mas no Itamaraty outras fontes identificam na visita de Bush a Brasil, Uruguai, Colômbia, Guatemala e México um claro sinal de sua disposição de criar uma frente anti-Chávez na América Latina. Envolvido na visita de Bush, o presidente do Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Comerciais, Marcos Jank, prevê a assinatura de um acordo de pesquisa conjunta sobre biocombustíveis, cooperação para criar padrões internacionais para o etanol e sua conversão em commodity e parceria entre entidades públicas e privadas dos dois países no desenvolvimento do setor. Nas poucas horas que passará no Brasil, a caminho de Montevidéu, Bush pode visitar uma usina de álcool. Jank acha que a incógnita da visita é o debate da abertura do mercado mundial de biocombustíveis. Os EUA não querem tocar nisso, devido a proteção que dão ao produto - a tarifa de importação americana é de US$ 0,54 por galão e é um dos pilares do desenvolvimento da atividade no país. Para analistas, se o Brasil insistir na questão, pode matar a parceria. Jank discorda. "O mercado internacional de petróleo é muito liberalizado. O de combustíveis renováveis, ao contrário, é amplamente protegido. Trata-se de uma contradição que Brasil e EUA terão de encarar se quiserem construir um mercado mundial de biocombustíveis."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.