Visibilidade para pouso estava no limite da pista

Boletins da Aeronáutica mostram que piloto estava 30 metros acima do mínimo permitido para pouso no Guarujá quando arremeteu

Adriana Ferraz, Fábio Brandt, O Estado de S. Paulo

13 de agosto de 2014 | 22h45

Os pilotos do Cessna prefixo PR-AFA decidiram pousar no limite da visibilidade operacional determinado pelas normas da Aeronáutica para a operação da Base Aérea de Santos, em Guarujá, no litoral paulista. Documentos obtidos pelo Estado mostram a evolução meteorológica na manhã de ontem na região da base – a visibilidade chegou a ficar em 800 pés (cerca de 260 metros), quando a regra admite pousos naquela pista com um mínimo de 700 pés (233 metros) de visibilidade. 

A carta de aproximação por instrumentos para a pista 35 da base aérea demonstra ainda que, em caso de arremetida, o piloto devia fazer uma curva para a esquerda – o que ocorreu com o avião que transportava o candidato à Presidência pelo PSB, Eduardo Campos.

Os boletins meteorológicos de Santos são registrados na Redemet, o site meteorológico do Comando da Aeronáutica. Eles registram que a visibilidade ontem na região da base aérea foi reduzida de forma constante das 6 horas ao meio-dia. O vento vinha de nordeste e norte, com baixa intensidade. Havia restrição de visibilidade e chuva fraca. As nuvens estavam perto de 2 mil pés (660 metros)

A partir das 9 horas até o meio-dia, a visibilidade piorou. Às 10 horas, quando a aeronave caiu, o teto estava perto de 800 pés. A baixa visibilidade levou os pilotos a optar por arremeter o avião, conforme avisado, via rádio, ao controle da pista.

Segundo informações obtidas pelo Estado, o piloto do avião entrou em contato com a estação rádio da base aérea informando que ia fazer procedimento de pouso. Em seguida, o piloto se comunicou novamente com a base e avisou que não tinha encontrado visualmente a pista de pouso e arremeteu.

A gravação mostra um dos pilotos do Cessna (ainda não se sabe qual deles) com voz calma. Ele usa linguagem técnica de aviação para informar que iria realizar o “bloqueio de Santos e o rebloqueio”, o que indica o plano de arremeter e, em seguida, tentar pousar novamente na pista 35. De acordo com a carta com as regras da pista, o procedimento de pouso deve ser iniciado com 4 mil pés, via instrumentos. A partir dos 700 pés, caso não haja visualização direta, a ordem é arremeter.

“Foi o que os pilotos fizeram, e na direção certa, pela esquerda, conforme a determinação”, disse o comandante Humberto Branco, vice-presidente da Associação de Pilotos e Proprietários de Aeronaves (Appa).

A manobra foi feita, segundo os boletins meteorológicos, com clima desfavorável. Além da névoa úmida, que provocou o teto baixo para pouso, ventava na região. “O tempo não estava bom, mas ainda era considerado praticável para a execução do procedimento”, completa Branco. Após a arremetida, não houve mais comunicação e ocorreu o choque.

Caixas-pretas. O gravador de voz do Cessna 560XL, prefixo PR-AFA foi localizada por volta das 12 horas e está em mãos da equipe do Centro Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, Ceripa, de São Paulo. O gravador de voz traz os 30 últimos minutos de conversa na cabine, assim como as conversas com o funcionário de terra da base aérea. 

Não há prazo para conclusão dos trabalhos dos peritos. Eles querem saber se o piloto seguiu as instruções da torre de controle ao arremeter e se os equipamentos responderam aos comandos do piloto. Também precisará ficar claro se o avião estava em chamas antes de cair, como afirmam testemunhas.

Os corpos das vítimas seguiram ontem para o Instituto Médico-Legal de São Paulo. Segundo o delegado Aldo Galiano Junior, diretor da Polícia Civil em Santos, 90% dos restos mortais das vítimas já foram levados para São Paulo. De acordo com ele, em até três dias os corpos serão liberados. As Polícias Civil e Federal abriram inquéritos. / COLABORARAM BRUNO RIBEIRO e WLADIMIR D'ANDRADE

Mais conteúdo sobre:
Eduardo Camposacidente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.