Virgílio teme que seu telefone esteja grampeado

O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), afirmou hoje, no plenário do Senado, temer que suas conversas telefônicas estejam sendo gravadas. Segundo ele, esta é uma dúvida que não seria apenas dele, mas também de outros senadores. A afirmação foi feita logo depois de ter criticado as afirmações feitas pelo Secretário de Comunicação Social da Presidência, Luiz Gushiken, de que a liberdade não é um valor absoluto, publicada hoje pelo jornal O Estado de S. Paulo. Virgílio acusou o governo de estar numa escalada autoritária que envolveria as propostas de um Conselho Federal de Jornalismo e a Agência de Audiovisual. "A liberdade de imprensa foi conquistada com muita luta e tem de ser preservada a qualquer custo", disse o líder tucano. "O projeto do Conselho Federal de Jornalismo é uma tentativa de intervenção na liberdade de imprensa e esta liberdade deve ser ampla geral e irrestrita".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.