Virgílio entra com nova denúncia; Simon pede saída de Sarney

Tucano pede para apurar responsabilidade do presidente do Senado em desvios da fundação que leva seu nome

Rosana de Cássia, da Agência Estado, e Eugênia Lopes, de O Estado de S.Paulo ,

14 de julho de 2009 | 14h43

O líder do PSDB, senador Arthur Virgilio (AM), informou nesta terça-feira, 14, na tribuna, que encaminhou ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar nova denúncia contra o presidente do Senado, José Sarney, por ter, segundo Virgílio, mentido, ao negar envolvimento direto com a Fundação Sarney. Segundo reportagem do Estado, a entidade recebeu R$ 1,3 milhão da Petrobras para um projeto que não saiu do papel e teria desviado R$ 500 mil da verba.

 

Virgílio pede que o órgão instaure processo disciplinar para saber se houve quebra de decoro parlamentar por parte de Sarney. O PSOL também encaminhou representação contra Sarney e o líder do PMDB e ex-presidente da Casa, Renan Calheiros (AL), para que sejam investigados os 663 atos secretos baixados ao longo dos últimos 14 anos, que beneficiaram correligionários e parentes dos dois senadores.

 

Veja Também:

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

especial ESPECIAL: O que será apurado na CPI e a cronologia do caso 

trailer Galeria: vista aérea da casa particular de José Sarney na Península dos Ministros 

lista Confira a lista dos 663 atos secretos do Senado

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

lista O ESTADO DE S. PAULO: Neto de Sarney agencia crédito no Senado 

 

Também nesta terça-feira, o senador Pedro Simon (PMDB-RS) defendeu que Sarney renuncie à presidência da Casa. "Não adianta suspender atos. Perdemos toda a credibilidade. O presidente Sarney tem de ter a grandeza de renunciar à presidência do Senado", disse Simon, que admitiu não ter tido coragem de dizer isso para Sarney na semana passada quando foi conversar com ele em seu gabinete.

 

Para apurar as denúncias contra Sarney, o Senado aprovou os membros do Conselho de Ética - 15 titulares e 15 suplentes. O senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) é o mais cotado para presidir o conselho. O governo trabalha por uma "tropa de choque" para blindar o peemedebista.  A estratégia é arquivar a representação contra ele.

O presidente do Senado negou, por meio de sua assessoria, e em pronunciamento, participação direta na administração da Fundação, em resposta às acusações do jornal O Estado de S. Paulo de que a Fundação José Sarney teria desviado parte dos recursos cedidos pela Petrobras para empresas fantasmas e de familiares do senador. O estatuto da Fundação, no entanto, afirma o contrário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.