Virgílio diz que Lula deve recuar da decisão sobre jornalista

O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), disse há pouco que, se a oposição tivesse participado da audiência com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, coordenada pelo presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), para debater o caso Larry Rohter, teria travado "um diálogo de surdos" com o presidente, já que ele não estava disposto a aceitar o pedido que os líderes da oposição lhe fariam, para que recuasse em sua posição de expulsar o jornalista americano. "Espero que o presidente medite e recue", disse Virgílio. "Recuar não é feio. É uma ato de coragem de que o Brasil precisa". Virgílio ressaltou que a posição do presidente, que exige uma retratação do jornalista ou do jornal, mantém o desgaste em torno do episódio. "O presidente não se livrará mais disso até o final do mandato", previu. "Ele sempre terá que explicar por que agiu contra a liberdade de imprensa". Na reunião que tiveram pela manhã com Sarney, os líderes de oposição, segundo Virgílio, deixaram claro que a solidariedade humana a Lula era total mas que, por outro lado, pediram a Sarney que fizesse um apelo para Lula recompor "um gesto equivocado praticado na terça-feira". "O presidente erra, o estrago está feito, e foi bom a oposição não ter ido ao encontro", avaliou o líder do PSDB. "Lula fez o que nós temíamos, e seria mais um desgaste para ele nossa presença lá". Ainda na avaliação de Virgílio, faltou a Lula humildade no episódio. Ele lembrou que o ex-presidente Itamar Franco também foi vítima de matéria caluniosa do mesmo jornalista, e nem por isso o expulsou do País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.